azeitona

Segue a Azeitona pela rua,
Pensando na vida,
Com a cabeça na lua.

Seu pensamento era tão escroto,
Que não viu o buraco
E caiu rumo ao esgoto.

Ela rolou, ralou a bunda.
E depois deste sofrimento
Espatifou-se na água imunda.

Sem saída, começou a andar.
Súbitou, veio a vontade,
E agachou-se para cagar.

Então, aconteceu.
Depois do alívio,
A merda se mexeu.

Ela cresceu,
Inchou
E a atacou.

Enfim, sua vida acabou.
Que triste fim teve a azeitona,
Na merda ficou.

Esse texto faz parte da antologia “P.O.E.M.A.S. – Palavras Ontológicas e Extenuantes Mas Ainda Semânticas”.

Comente pelo Facebook

É um cara que já trabalhou (e trabalha) em muitas coisas e nas poucas horas que tem dá uma de escritor/poeta/jornalista/roteirista. Quando tem vontade atualiza seu blog, o “O Protagonista 2.0”. Foi colaborador do blog Cultura Nerd e atualmente escreve para os blogs sites Novelas Teen, Contraversão e Revista Entremundos. Pode ser encontrado a noite cambaleando bêbado pelas ruas de São Paulo ou falando seu nome três vezes em frente a espelhos em botecos suspeitos da Augusta e da Mooca. Uma mistura de Spider Jerusalem e John Constantine, ou não.

ARTIGOS SEMELHANTES