azeitona

Segue a Azeitona pela rua,
Pensando na vida,
Com a cabeça na lua.

Seu pensamento era tão escroto,
Que não viu o buraco
E caiu rumo ao esgoto.

Ela rolou, ralou a bunda.
E depois deste sofrimento
Espatifou-se na água imunda.

Sem saída, começou a andar.
Súbitou, veio a vontade,
E agachou-se para cagar.

Então, aconteceu.
Depois do alívio,
A merda se mexeu.

Ela cresceu,
Inchou
E a atacou.

Enfim, sua vida acabou.
Que triste fim teve a azeitona,
Na merda ficou.

Esse texto faz parte da antologia “P.O.E.M.A.S. – Palavras Ontológicas e Extenuantes Mas Ainda Semânticas”.

  • Cantinho do Poeta Feliz – Tiago Malta

    De repente eu abri os olhos e todas as coisas mundanas e universais Começaram a olhar pra …
  • Sorry, Rigor Mortis

    E ai seus espetaculosos! Hoje é dia de dobradinha de curta metragem na Mob Fiction!…
  • Triálogo

    Primeira vez: Oi, quero uma dose de whisky! Mas moça, o que se passa? Por quê…
Carregar mais artigos relacionados
Load More By leosias
  • Sorry, Rigor Mortis

    E ai seus espetaculosos! Hoje é dia de dobradinha de curta metragem na Mob Fiction!…
  • Triálogo

    Primeira vez: Oi, quero uma dose de whisky! Mas moça, o que se passa? Por quê…
  • Ilusão (I) de Ótica

    - Sabe, eu culpo os filmes. - Hein? - É. Os filmes, os livros e a cultura pop em ge…
Load More In Mob Fiction
Comments are closed.

Confira também!

[Resenha] Tarkin – A trajetória do comandante da Estrela da Morte.

“Governador Tarkin. Eu já esperava encontrá-lo segurando Vader pela coleira”. – Prin…