Batman-A-Piada-Mortal

Review publicado originalmente no Fil Felix – Quadrinhos

Finalmente li Batman: A Piada Mortal, considerada por praticamente todo mundo uma das melhores histórias do Batman. Foi a responsável por apresentar aos leitores o passado conturbado do Coringa e da eterna cena em que Bárbara Gordon é atingida por um tiro e fica paraplégica, se tornando mais tarde a expert Oráculo. Foi (e acredito que ainda seja) uma HQ à frente de seu tempo. Mesmo hoje é chocante observar algumas cenas, imagina quando foi lançada em 1988?

Batman - A Piada Mortal página 1

Escrita por Alan Moore, talvez o nome mais importante das HQs modernas (tendo criado clássicos como Watchmen, V de Vingança, Liga Extraordinária, Tom Strong…), a trama gira em torno da teoria do Coringa em que qualquer um pode passar da sanidade à loucura com apenas um dia ruim. E a partir daqui a história desenrola as emoções e personalidade do Comissário Gordon, Batman e do próprio Coringa, culminando num final surpreendente.

Em resumo, o Coringa escapa do Arkham para assassinar Bárbara Gordon e sequestrar seu pai. Seu intuito é enlouquecer o Comissário, mostrando as barbaridades que fez à sua filha e provar ao Batman que a linha que separa o são do louco é muito tênue. Em paralelo, temos flashbacks de como um comediante falido viria a se tornar o vilão Coringa, após uma tragédia.

Batman - A Piada Mortal página 2

O modo em que A Piada Mortal se desenvolve é bastante envolvente, em parte graças à arte de Brian Bolland (Camelot 3000, Juíz Dredd). Já comentei sobre isso aqui no site, ele é bem detalhista e delicado. Não há splash-pages ou páginas duplas, cenas desnecessárias ou momentos banais, cada quadradinho está ali cumprindo seu dever. Isso explica as poucas páginas da HQ, tudo bem direto e objetivo.

Isso faz, também, com que não achemos pontos negativos pra comentar. Com exceção, talvez, do gosto do leitor (e sua simpatia à super-heróis), tudo é muito competente. Claro que não chega à ser uma obra-prima, como os próprios autores chegam a dizer, ficando à sombra de algumas outras obras do Moore, mas é excelente (me surpreendeu).

Batman - A Piada Mortal página 3

Falando em super-heróis, há cenas “fortes” para o padrão do gênero. Destaco duas: quando Babs sofre o tiro, rápido e certeiro, sem rodeios como poderíamos imaginar; e quando seu pai, o Comissário, passa pelo “Trem Fantasma” e é obrigado a ver fotos dela sangrando no chão, semi-nua, tiradas pelo próprio Coringa ao tentar matá-la. A reação dele e toda essa sequência do trem é espetacular, de longe minha preferida da HQ.

Há outros pequenos e brilhantes momentos, como a reação do Comissário em relação ao Coringa. Será que a teoria da sanidade se cumpriu? Não esquecemos do Batman, que apesar de se transformar num personagem menor, termina a história de forma emblemática. E essa é A Piada Mortal, uma HQ curta porém muito competente, com nenhum momento desperdiçado. Interessante como ela é distinta da mais recente Coringa, do Brian Azarello e Lee Bermejo. Menos caricata.

Batman - A Piada Mortal página 4

A edição da Panini é luxuosa, com capa dura e papel couché, além de diversos extras. A introdução é de Tim Sale (Mulher-Gato: Cidade Eterna), exaltando a obra, com posfacio do próprio Bolland, explicando como chegou à trabalhar com Moore e qual era sua ideia original. Ele comenta como não se sentiu satisfeito em alguns pontos, criando mais tarde a história especial “Sujeito Inocente” (publicada em Batman: Black and White) como uma forma de exorcizar tais ideias, trazendo um Batman muito mais vulnerável ao virar alvo de uma pessoa comum, que simplesmente deseja matá-lo, sem deixar “moedas, charadas ou cartas”. Esse especial também está presente nessa edição e é ótimo.

Fecha o encadernado a republicação de “Batman #1″, primeira revista solo do personagem publicada originalmente em 1940, com a aventura clássica em torno do Coringa. É certo que os quadrinhos dessa época, ainda experimentando o gênero de super-herói, não envelheceram bem. Além da arte menos dinâmica, todo o roteiro soa forçado, com recordatórios e balões explicando o que já estamos vendo, ou repetindo algo que acabou de passar. Chega a ser engraçado e um extra interessante à edição, mostrando como o gênero como um todo evoluiu. Também há uma mini-bio de todos os autores.

nota 10 ;

Vale lembrar que as cores dessa versão foram produzidas pelo próprio Bolland, que chegou a lamentar as cores originais por serem muito “estridentes” (perdendo um pouco de sua cara “oitentista”, que gosto muito, e ficando mais moderna). Para comparação:

Batman - A Piada Mortal novas cores

Nome Original: Batman: The Killing Joke
Editora/Ano: Panini, 2014 (DC, 1988)
Preço/ Páginas: R$29,90/ 88 páginas (Compre aqui!)
Gênero: Ação/ Super-herói
Roteiro: Alan Moore
Arte: Brian Bolland
Sinopse: Um dia ruim. É apenas isso que separa o homem são da loucura. Pelo menos segundo o Coringa, um dos maiores e mais conhecidos vilões dos quadrinhos. E ele quer provar seu ponto de vista enlouquecendo ninguém menos que o maior aliado de seu grande inimigo: o Comissário Gordon. Cabe ao Cavaleiro das Trevas impedi-lo.


 

Essa HQ foi gentilmente cedida pela nossa nova parceira, Comix Book Shop.

Comente pelo Facebook

3 COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta