fifa14festa
Crédito: https://www.facebook.com/nkdbr

Quarta-feira (02 de outubro) foi um dia muito esperado para os fifeiros. Isso porque estreou no Brasil o aguardado FIFA 14. Em São Paulo, a EA Games organizou uma festa de lançamento do jogo com um show do Marcelo D2, no Cine Joia, exclusivo para blogueiros e jornalistas.

Vocês não sabem, mas aqui na Mob, tudo funciona magicamente. De vez em quando, de repente, rola uma mágica: um flash pisca muito rápido e você acorda numa dimensão paralelamente oposta onde está tudo congelado. É o outro lado do espelho, onde você encontra o Aléssio, com seu belo chapéu e um grande bigode, sentado de pernas cruzadas num tapete voador. Mais um flash e plim! Lá estava eu, na fila do Cine Jóia, com dois ingressos na mão. Olhei rapidamente e enxerguei rapidamente um bigodão com cavanhaque no Messi. Que viagem! Bom, entrei no jogo. Ou na festa, sei lá.Crédito: https://www.facebook.com/easportsfifabrasil

E foi divertido. Um mestre de cerimônias tentou agitar a galera e movimentar a casa, mas não foi muito bem acompanhado. O pessoal parecia estar gostando mesmo de registrar o momento nos instagrams, facebooks e twitters da vida. Também rolou jogar uma partidinha contra seu amigo durante a festa. Parecia os aniversários da minha infância: um monte de moleque reunido em volta do International Superstar Soccer Deluxe, jogando com o ilustre, o mestre da bola quadrada, o artilheiro Allejo, enquanto alguma tia tenta arduamente fazer contato, trazendo salgados e refrigerante e chamando pro parabéns.

Saudosista que sou, nunca vou abandonar meu bom e velho Allejo. E confesso pra vocês, nem sou fanático por futebol. Sou um perna-de-pau desde sempre, no videogame ou na vida real. Só era bom no Superstar Soccer porque não era tão difícil assim. Mas fiquei impressionado com o realismo dos movimentos e passes e a riqueza de detalhes do FIFA 14.

Na festa ainda rolou a presença do Maurício Meirelles, do CQC, que gravou uma partida contra Gustavo Nascimento, tri-campeão sul-americano de FIFA – E não é que essas coisas existem mesmo? Meirelles tomou uma sacolada e despediu fazendo graça. Parece que na área Vip, o repórter perdeu de novo, mas dessa vez para a atração da noite, Marcelo D2.

Mas como aqui não é revista de fofoca, vamos ao que interessa: o show do D2

Confesso que conheci o rapper muito tarde, em relação à sua estrada com o Planet Hemp. Mas tenho muito respeito por suas composições e sua posição na música brasileira. Aquele show seria uma oportunidade pra mim de entrar em contato com sua música e descobrir se ele encontrou a tal da batida perfeita.

E olha, que batida. Logo nas primeiras músicas deu pra sentir do que se tratava: “Ele bate no bumbo e você sente no peito, esse é o Planet Hemp, fazendo efeito“. Não era o Planet Hemp, mas foi como se fosse. Uma demonstração do potencial do DJ e suas caixas. E pude comprovar: Marcelo D2 sempre quer fazer barulho, porra!

Fernandinho Beat Box, compadre do D2, também mostrou a que veio e fez um pot-pourri de clássicos do rock. Isso mesmo, senhoras e senhores, o cara “tocou” com a boca alguns riffs inesquecíveis como Smoke On The Water, Come As You Are e Seven Nation Army. Além disso, os dois improvisaram muitos outros covers, desde Planet Hemp até clássicos de Zeca Pagodinho e Bezerra da Silva.

No mais, foi um show curto, como era de se esperar, mas valeu a quarta feira. Quanto ao jogo, não sei de nada, mas se alguém quiser me emprestar, prometo dar meu parecer por escrito em breve.

Comente pelo Facebook

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta