Olá seus maravilindos!

Essa semana é a semana da comemoração mais legal do universo e que, na minha opinião, deveria ser muito mais do que uma data festiva e sim um feriado internacional. Essa é a semana do Halloween e, como vocês puderam deduzir de acordo com as minhas resenhas, eu amo o dia 31 de outubro.

Como o próprio Sayron disse “A Beatriz é figurinha carimbada nas resenhas de terror/suspense” e é verdade, eu assumo. Sou apaixonada por filmes de terror desde bem nova e não parei de assisti-los até hoje, mesmo que isso envolva me deparar com ofensas ao gênero como no caso de “Gritos Mortais

Uma coisa que eu reparei ao longo desse passar de anos é que tudo ficou muito mais fácil nos filmes dessa categoria. Assumo que, se ao ler a sinopse de um filme que eu me interessei eu me deparar com a frase “Um grupo de jovens“, “Um grupo de amigos” ou qualquer coisa que envolva um bando de adolescentes, eu simplesmente desisto do filme. Por quê?

Porque é batido. Porque todo mundo usa esse pretexto pra começar um filme de “terror”. Sim isso é popular, clássicos como as películas de “Hora do Pesadelo” e a saga de Jason Vorhees envolve um grupo de adolescentes. Mas pense, esses filmes foram feitos nos anos 80. De lá para cá surgiram alguns atrativos para dar um novo ar ao terror, no entanto os adolescentes continuam lá.

Sim eu sei, colocam adolescentes porque os filmes de terror são para essa faixa etária e com personagens que variam de idade com o expectador, acontece a identificação e isso faz com que quem assista o filme “sofra” mais ou se afeiçoe por ele mais facilmente. Mesmo assim, esse argumento de “um grupo de jovens resolve passar as férias de verão num lugar mais isolado que Nárnia” já não cola mais.

Basicamente a receita de bolo é:

Jovens + Bebida/drogas + alguém faz merda + Gente transando + Galões de sangue + mortes bizarras + elemento assassino (à escolha do roteirista)

É como eu sempre digo nas minhas resenhas. Você pode ter um argumento simples, pode até usar o grupo de amigos adolescentes, mas se você souber como desenvolver esse argumento de um jeito criativo a coisa toda pode dar muito certo. Um exemplo disso é o filme espanhol de terror feito em 2007, REC (que depois, LÓGICO, gerou o remake americano “Quarentena“).

Os diretores e roteiristas resolveram usar da câmera em primeira pessoa como modo de filmagem, com os defeitos e adversidades que o equipamento podia apresentar na situação em que os personagens se encontravam no filme. Foi um sucesso e todo mundo adorou, como consequência, surgiram mais películas com a mesma técnica como a cinesérie “Atividade Paranormal“. [Nota da edição: Editei uma vez o segundo filme chatíssimo dessa coisa, compilando todas as “cenas de susto” que apareceram nele. VEJA!]

REC não foi o primeiro a usar a técnica da câmera em primeira pessoa para assustar. Quando “A bruxa de Blair” chegou nos cinemas todo mundo ficou doido e foi um deus nos acuda por causa desse filme. Outro que também gerou explosões mentais mas que não soube a hora de parar foi a saga “Jogos mortais“.

O argumento das armadilhas e o motivo pelo qual Jigsaw “matava” as vítimas também fez muito caboclo perder o cérebro e ter que recolhê-lo com pá depois de ver o filme. Uma enxurrada de cópias da premissa de Jogos Mortais apareceu com pequenas alterações no argumento principal.

Resultado: Ficou batido também.

Agora a pergunta que eu faço para vocês é:

Quem ou quais são os grandes vilões do terror nos dias de hoje?

Temos os clássicos como a garota Regan, Jason, Freddy, Michael Meyers e Pinhead. E quem são as novas caras do terror? Quem serão os novos ícones que a próxima geração vai se espelhar para criar seus próprios vilões?

Eu não tenho muita certeza quando afirmo isso, mas tirando o Jigsaw, Sadako e Toshio e sua mãe, não temos muitas caras novas no terror. Isso precisa mudar, galerinha da sétima arte, vamos colocar o cérebro pra funcionar. Se bem que não duvido em nada de algum produtor assistir Marble Hornets e resolver produzir um filme do Slenderman com atores hollywoodianos e MUITOS efeitos visuais.

E agora que já expus meus pontos de vista a respeito do andamento do gênero terror ultimamente, é hora de fazer mais uma boa ação para vocês, meus leitores lindos e maravilhosos da tia! Não, não vai ter resenha e sim um guia!

O guia mais do que maravilhoso e incrível de sobrevivência da Bia!

Se você é como eu que assiste pelo menos um filme de terror por semana, já deve ter percebido uma série de clichês ou ações que JAMAIS devem ser feitas caso você, meu querido, se encontre na mesma situação das vivenciadas nos filmes de terror.

Agora, se você ainda é novo nessa área mas quer se preparar, afinal nunca se sabe o dia de amanhã, dê uma conferida nos itens abaixo e boa sorte!

1 – Não transe.

2 – Não fiquei bêbado/chapado.

3 – Não se separe dos outros em hipótese alguma. Isso só dava certo no Scooby-Doo.

4 – Se você tropeçar não dê uma de jogador de futebol e fique rolando no chão com a mão no machucado. Tem alguma coisa querendo te matar atrás de você e ele/ela/aquilo não vai se comover com o seu showzinho.

5 – Se te disserem que a Tábua Ouija é segura. Não acredite, você sabe muito bem o que aconteceu com a Regan.

6 – Objetos ditos como “amaldiçoados” não devem ficar largados na mesa de centro da sua casa. Nem deviam estar lá para começo de conversa.

7 – Nunca menospreze ou pratique bullying com a criança estranha/quieta da escola/vizinhança/trabalho. Ela pode se vingar explodindo a sua cidade com sua telecinese e isso com certeza vai estragar o baile de formatura da galera.

8 – Se te convidarem para ir acampar/ir para algum lugar isolado onde não há sinal de celular, RECUSE. Nem que para isso seja necessário trocar socos com alguém.

9 – Ao dar um calote de 400 reais na sua empresa, não fuja para um motel de beira de estrada e muito menos tome banho lá. Vá para casa e conte tudo para sua progenitora, afinal o melhor amigo de um garoto é a sua mãe.

10 – Se você for se mudar, certifique-se de que sua nova casa não foi construída em cima de um cemitério indígena e de que não há televisões na moradia.

11 – Sempre leve suas crianças ao dentista, sejam elas adotadas ou não. Fique preparado pois pode haver birra ou reclamações de dores no corpo.

12 – “Jogar um jogo” nem sempre vai ser tão fácil. É bom se certificar de que nenhuma peça do quebra-cabeça esteja faltando.

13 – Se numa viagem, um dos seus amigos reclamar de dor de barriga desconfie, pode não ser só uma simples diarreia.

14 – Ao coordenar um acampamento, escolha bem os funcionários. Você não quer que nenhuma criança se afogue por negligência dos monitores.

15 – Gravar um documentário sobre uma tragédia na floresta não é uma boa ideia. Investigar casas abandonada no meio da mesma, também.

16 – Nunca recuse demonstrações de afeto do seu irmão mais velho, principalmente no halloween.

17 – Ir ao baile de formatura com a menina que gosta de rosa não é de todo o ruim. Você não quer lidar com a fúria de uma princesa.

18 – Escadarias nunca são uma boa ideia. Um porão/sótão muito menos.

19 – Não tire sarro da mulher de cabelo longo com o filho de cara estranha, você não sabe o que se passa na casa deles.

20 – Sempre mire na cabeça, a menos que seja o Pyramid Head.

21 – Se estiver nevando, não seja idiota e saia com o carro. Muito menos se for para levar o manuscrito do seu novo livro para o seu editor.

22 – Tente espairecer, afinal, muito trabalho e pouca de diversão fazem de você um bobalhão.

23 – Fique longe desse número.

24 – Lembre-se: Um psiquiatra nunca quebra o sigilo médico/paciente. Já servir seus órgãos como parte do prato principal é outra história.

25 – Ao descobrir que há um pedófilo na sua cidade, não faça justiça com as próprias mãos o carbonizando. Isso pode te dar pesadelos no futuro.

26 – Se o seu filho tiver um chilique hardcore perto de uma igreja, desconfie. Cancele a festa de aniversário ao ar livre também, só por via das dúvidas.

27 – Ouviu um barulho de madrugada na sua casa? Ligue para a polícia e se tranque em algum lugar. Deixe a parte de investigação para as autoridades.

28 – Confie desconfiando. Do palhaço mais querido da cidade até o yuppie bonitinho que trabalha em Wall Street.

29 – O mundo virou vítima de um vírus de laboratório? Reze para que os infectados não consigam correr e vá se refugiar num shopping.

30 – Chorar e implorar não vão te manter vivo por mais tempo. Antes partir com sangue no zoio pra cima do assassino do que ser mais um na lista de “otários que morreram no começo”. Se for pra morrer, que seja lutando.

31 – Pra sobreviver vale de tudo. Inclusive substituir sua mão (que está possuída e quer te matar) por uma moto-serra.

32 – Nunca deixe um cachorro lamber o rosto da sua filha, você não sabe onde aquela boca andou.

33 – Ao viajar com seus amigos e parar para abastecer o carro num posto de gasolina na beira da estrada, seja simpático com o frentista. E se ele disser para não irem para onde estão indo, ESCUTE-O.

34 – Nenhum lugar é seguro. Nem mesmo as delegacias.

35 – Se tiver alguém querendo te matar, não vá para sua casa. É o primeiro lugar que o assassino vai te procurar.

36 – Saber dirigir é um diferencial, saber fazer ligação clandestina para dar partida no carro, também.

37 – Se o seu antagonista é um cara grande e forte, e você não é nem metade dele, não espere para ver se a pancada na cabeça o fará desmaiar.

38 – Treine corrida em diferentes terrenos.

39 – Garotas, se vocês estiverem de salto alto, a probabilidade de serem perseguidas é muito maior. Por isso, desçam do salto na festa de formatura e antes correr descalça pelo chão do que romper um ligamento e bom, você já sabe.

40 – Se você queria um motivo para fazer musculação, pensar que o apocalipse zumbi está próximo já é de bom tamanho.

41 – Ser virgem salva sua vida. Os virgens nunca morrem. Principalmente as meninas.

42 – Sua turma é formada por estereótipos. Torça para que você não seja o cara engraçado, eles geralmente morrem primeiro.

FIM!


[Publicado originalmente em 31/outubro/2012.]

Comente pelo Facebook

6 COMENTÁRIOS

  1. Recentemente assisti a um filme muito bom, que brinca bastante com os clichês dos filmes de terror. Trata-se de “The Cabin in the Woods” (O segredo da Cabana, em tradução brasileira).

    Além de ter um enredo bacana, é uma clara homenagem ao gênero de horror no cinema. A trama é cheia de referências a filmes e personagens clássicos, inseridos na trama em contraste com uma boa dose de humor negro.

    Não é o melhor filme do mundo, claro, mas fãs de terror — como eu — podem se divertir bastante com a história.

  2. Eu assisti esse filme, gostei bastante das referências aos outros filmes de terror e suspense. Também curti aquela coisa de ter o grupo de adolescentes clichê. Só aquele final que eu achei bem forçado.

    • É verdade. O final deixou a desejar (o que era aquela mão gigante saindo da terra?). Mas o filme ia muito bem até uns dois minutos de acabar.

Deixe uma resposta