Grande parte do sucesso do Homem-Aranha se deve ao fato de que é fácil o público se relacionar com ele. Por baixo da máscara e dos poderes, ele é um jovem com problemas igual a todo mundo. Sofre bullying na escola, precisa de grana pra ajudar a tia a pagar as contas de casa etc. Não é à toa que o apelido dele seja Amigão da Vizinhança. E Homem-Aranha: De Volta ao Lar é o filme que melhor retrata essa humanidade do personagem. Apesar de ter ajudado o Homem de Ferro (Robert Downey Jr.) contra o Capitão América (Chris Evans) durante a Guerra Civil, Peter Parker (Tom Holland) é apenas um garoto de 15 anos ainda deslumbrado com os novos poderes e a perspectiva de integrar a equipe dos Vingadores. Infelizmente para ele, ainda é necessário percorrer um longo caminho para isso, fazendo com que ele aprenda da maneira mais difícil que “com grandes poderes vêm grandes responsabilidades”, sem que a frase seja sequer citada durante o filme.

Possuindo a missão de encaixar o Aranha no resto do Universo Cinematográfico da Marvel e, ao mesmo tempo, servir como uma nova roupagem do herói, Homem-Aranha: De Volta ao Lar é extremamente eficiente no modo como apresenta não só o personagem título, mas também o vilão Abutre. Em apenas poucos minutos vemos o que levou Adrian Toomes (Michael Keaton) a se tornar um vilão. Melhor ainda, conseguimos entender suas motivações e até simpatizar com ele, já que o filme aproveita para fazer uma pequena crítica ao modo predatório como as grandes empresas agem, muitas vezes destruindo pequenos negócios e deixando famílias inteiras na miséria. Com o vilão estabelecido, o filme dá um salto de oito anos e acompanhamos todo o trajeto de Peter Parker até a batalha contra os Vingadores comandados pelo Capitão América. Toda esta sequência é mostrada através de um vídeo gravado pelo próprio protagonista, fazendo com que o espectador veja tudo através dos olhos do Aranha e perceba o quanto ele ainda é imaturo.

Com a expectativa de se tornar um membro fixo dos Vingadores, Peter Parker volta para a sua rotina diária, que consiste em ir para a escola durante o dia e agir como herói após o horário das aulas. E aqui temos a melhor encarnação do personagem nos cinemas. Agindo como um verdadeiro Amigão da Vizinhança, o Homem-Aranha deste filme ajuda idosos a atravessarem a rua, impede roubos de bicicletas e indica direções para turistas perdidos na cidade. Além disso, como as pessoas já estão acostumadas a viver em um mundo repleto de heróis, elas não se espantam com a presença do Aranha. Pelo contrário, elas até gostam da presença dele e conversam com o personagem como se ele fosse apenas mais um vizinho do bairro. Afinal, ele é apenas um adolescente que não pode sair da cidade sem pedir autorização para a tia May (Marisa Tomei). Estes momentos de interação do Aranha com as pessoas comuns rendem cenas muito engraçadas, como a do mortal pra trás ou do alarme do carro. Além disso, enquanto os Vingadores se preocupam com a destruição de países inteiros, a grande preocupação do Aranha aqui é a destruição de um mercadinho no Queens.

Apesar dos superpoderes, Peter Parker ainda é um adolescente, com preocupações equivalentes a essa fase da vida, e Homem-Aranha: De Volta ao Lar aborda isso de maneira excelente. Em alguns momentos, o filme lembra muito as produções adolescentes da década de 1980. Temos o protagonista apaixonado pela garota mais popular da escola, o riquinho implicante, a garota que finge não gostar de ninguém etc. Na verdade é possível até imaginar um remake do clássico Clube dos Cinco com os atores deste novo Homem-Aranha. O filme possui até uma cena de perseguição que homenageia uma famosa cena de Curtindo a Vida Adoidado, outro clássico oitentista. Porém, nada disso adiantaria se não fosse a excelente atuação de Tom Holland no papel principal. Além de ter o porte físico ideal (nem muito alto, nem muito baixo), o ator varia a voz entre tons mais graves ou mais agudos dependendo da situação, algo que é típico da adolescência. Além disso, Holland consegue transmitir com veracidade toda a empolgação que um garoto de 15 anos sentiria se tivesse os poderes que Parker possui. Quando ele conversa com Tony Stark, por exemplo, os olhos dele chegam a brilhar por estar na presença de um ídolo. Assim, é possível perceber, no olhar do protagonista, o momento exato em que ele deixa de ser apenas uma criança com superpoderes e passa a ser um herói de verdade, em uma cena que homenageia um momento clássico dos gibis desenhados por Steve Ditko (um dos criadores do personagem).

O filme ainda é certeiro na escalação do elenco de coadjuvantes, conseguindo trazer mais diversidade ao grupo de amigos de Peter Parker, que sempre foi composto basicamente de pessoas brancas. Liz (Laura Harrier), a paixão de Parker, é negra, enquanto Tony Revolori, que interpreta o popular Flash Thompson, possui ascendência da Guatemala. Já o melhor amigo de Parker, Ned, é interpretado por Jacob Batalon, que é descendente de filipinos e nasceu no Havaí. Além disso, o bullying praticado por Flash se resume a fazer trocadilhos com o nome de Peter, nunca apelando para comentários a respeito da aparência física dos personagens. Ned, por exemplo, é um rapaz acima do peso, mas em momento algum isso é relevante de qualquer maneira. Não existem cenas dele comendo sem parar, ou correndo com dificuldade, algo que seria comum em qualquer filme com um personagem adolescente com esse biotipo. Aqui, ele é tratado apenas como mais um do grupo, algo que deveria ser normal em qualquer lugar. Sendo uma história voltada para os jovens, o filme faz, assim, a sua parte para mostrar que são todos iguais, não importando a aparência física de cada um.

Para acompanhar essa pegada mais humana que o Homem-Aranha traz para o Universo Marvel, o filme acerta em cheio também na construção do vilão Abutre. Enquanto o sonho de Peter Parker é justamente fazer parte de coisas grandiosas com os Vingadores, Adrian Toomes quer apenas ficar fora do radar. Ele não deseja dominar o mundo ou destruir o Aranha a qualquer custo, mas apenas continuar vendendo suas armas feitas com peças das naves dos Chitauri. E ele entra para a vida do crime simplesmente porque o seu negócio legítimo foi destruído por causa de um acordo do governo com as Indústrias Stark. O vilão ainda traz questionamentos relevantes sobre como funciona a nossa própria sociedade. Como o Abutre diz em certo momento, ele é considerado criminoso por vender armas simplesmente porque não teve dinheiro para legitimar o negócio, enquanto Tony Stark passou anos aumentando sua fortuna justamente vendendo armas para governos ao redor do mundo. É uma importante discussão sobre o fato das leis serem mais maleáveis para os poderosos, enquanto os mais pobres sofrem todo o rigor dela. E aqui é preciso destacar a excelente atuação de Michael Keaton, que consegue soar ameaçador mesmo quando parece estar falando sobre coisas aleatórias. Além disso, é graças à atuação dele que é possível simpatizar com o vilão, já que conseguimos perceber por parte dele uma preocupação genuína com a família e os amigos que ficaram desempregados. Essa preocupação o torna tão humano quanto o próprio Peter Parker e fica difícil torcer para que algo de grave aconteça com ele ao final de tudo. Isso acaba fazendo com que o Abutre seja um dos vilões mais interessantes e carismáticos do Universo Marvel nos cinemas.

Homem-Aranha: De Volta ao Lar acerta também ao focar a ameaça apenas em Peter Parker e não em seus familiares, algo que já foi feito à exaustão nos outros filmes do herói. Além disso, devido à falta de experiência como super-herói, o próprio protagonista é mostrado como uma possível ameaça para todos ao seu redor e à sua própria vida. Assim, o filme deixa de lado a velha muleta da morte do tio Ben, fazendo com que Peter Parker aprenda com os próprios erros que “com grandes poderes vêm grandes responsabilidades”. E que nem sempre essas responsabilidades precisam envolver salvar um planeta inteiro da destruição, mas apenas um mercadinho que vende o melhor sanduíche do Queens. Afinal, é isso que se espera de um Amigão da Vizinhança.

[quote_box_center]Homem-Aranha: De Volta ao Lar / Spider-Man: Homecoming (EUA, 2017)

Direção: Jon Watts

Duração: 2h 13min

Elenco: Tom HollandMichael KeatonRobert Downey Jr., Marisa Tomei, Jon Favreau, Gwyneth Paltrow.[/quote_box_center]

Carregar mais artigos relacionados
Load More By Felipe Storino
Load More In Destaque

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confira também!

Power Rangers homenageia série original ao mesmo tempo em que possui identidade própria

Jason, Kimberly, Zack, Trini e Billy. Se você cresceu na década de 1990, provavelmente vib…