Monstros do espaço, deuses antigos, livros macabros… Conheça um pouco da literatura de horror de H. P. Lovecraft

“A emoção mais forte e mais antiga do homem é o medo, e a espécie mais forte e mais antiga de medo é o medo do desconhecido.”H. P. Lovecraft

Histórias de horror sempre fascinaram a humanidade. Por alguma razão, as pessoas gostam desse medo do desconhecido, de algo que pode estar escondido nas sombras, prestes a atacar. Mas, provavelmente, nenhum autor tenha captado tão bem a essência do medo quanto Howard Philips Lovecraft (1890 – 1937). Para o autor, o medo de verdade não estava em vampiros, lobisomens e outros monstros sobrenaturais. Para ele, o verdadeiro horror era o cósmico-científico, seres vindos de outros planetas ou dimensões, com formas incompreensíveis para a mente humana. Um dos grandes diferenciais nas histórias de Lovecraft está no tratamento dado aos personagens. Nelas, nem sempre ficar vivo é uma grande recompensa para o protagonista, uma vez que entrar em contato com segredos que a humanidade não está preparada para enfrentar, pode significar loucura total. Além disso, os personagens principais das histórias são pessoas comuns, geralmente professores, cientistas ou investigadores, que se vêem frente a frente com horrores inimagináveis. Temas como angústia, culpa, depressão e suicídio são comuns nos contos de Lovecraft.

Porém, o mais atraente na obra do autor são os chamados Cthulhu Mythos, uma série de criaturas, artefatos e locais que fazem parte desse universo ficcional. Universo este que foi sendo criado de forma bem interessante. Quando começou a escrever, H. P. Lovecraft chamou atenção de alguns autores da época, com quem passou a se corresponder através de cartas. Seus melhores amigos e colaboradores foram Clark Ashton Smith, August Derleth e Robert E. Howard, o criador do Conan. Juntos eles formaram o que ficou conhecido como Círculo de Lovecraft. Nessa espécie de “clube”, o autor que desejasse escrever sobre os Mythos deveria sempre criar uma ou mais criaturas, um livro misterioso com nome bem diferente e uma cidade assombrada por alguma lenda bizarra. Assim, com esse pequeno jogo, foi se formando toda a mitologia de Cthulhu.

Mas afinal, o que são os tais Cthulhu Mythos? Primeiramente, o nome foi retirado do conto mais famoso de Lovecraft, “O Chamado de Cthulhu”. Na mitologia criada pelo escritor e seus colaboradores, milhões de anos antes da existência dos humanos, a Terra foi habitada por criaturas vindas de outros planetas ou outras dimensões. Quando os humanos surgiram, esses aliens criaram religiões onde eram considerados verdadeiros deuses, devido a seus grandes poderes. Na história “Nas Montanhas da Loucura”, Lovecraft chegou a escrever que a humanidade teria sido criada por um desses seres, para serví-los. Porém, quando aconteceu um determinado alinhamento das estrelas, os Antigos (como os aliens são chamados nas histórias) tiveram que ir embora ou ficar hibernando nas profundezas dos oceanos (caso do Grande Cthulhu).

Mesmo de volta aos seus planetas de origem, os Antigos conseguiram manter contato telepático com os humanos, através dos sonhos. Dessa forma, eles continuaram controlando as religiões que haviam criado milênios atrás, com o intuito de que um dia consigam voltar e governar a Terra mais uma vez. Outra coisa importante nas histórias envolvendo os Mythos é que a humanidade é insignificante quando se pensa em uma escala cósmica. A mente humana não está preparada para entender todos os segredos do universo. Devido a isso, qualquer pessoa pode enlouquecer ao entrar em contato com esses segredos. Os Antigos, por exemplo, sempre são descritos como criaturas que possuem formas incompreensíveis para a mente humana.

Mas nem só de criaturas sinistras vivem os Mythos. Alguns livros macabros também são parte essencial das histórias, sempre com nomes estranhos e praticamente impronunciáveis, assim como os Antigos. De todos os livros que aparecem na obra de Lovecraft, o mais importante é o Necronomicon, o Livro dos Mortos. É nele que está contido todo o conhecimento sobre o universo e dimensões paralelas, tendo inclusive fórmulas para trazer os Antigos de volta à Terra. A simples leitura desse livro maldito pode fazer com que uma pessoa enlouqueça. O Necronomicon ficou famoso no cinema na série de filmes Evil Dead, dirigidos por Sam Raimi, o mesmo diretor de Homem-Aranha.

Infelizmente, Howard Philips Lovecraft não teve o merecido reconhecimento enquanto estava vivo. Na época, as pessoas achavam que ele era apenas um escritor esquisito, com idéias bizarras demais. Porém, após a morte dele, em 1937, August Derleth e outros autores continuaram escrevendo histórias sobre os Mythos, não deixando que Lovecraft caísse no esquecimento. Hoje em dia, ele é considerado um dos mestres do horror e fonte de inspiração para muitos autores famosos, como Stephen King e Neil Gaiman.

Referências sobre os Mythos podem ser encontradas não só na literatura, mas em várias outras obras. Além do cinema, como no já citado Evil Dead, as referências aparecem também nos quadrinhos. O famoso Asilo Arkhan, das histórias do Batman, emprestou seu nome de uma cidade fictícia que aparecia em alguns contos de Lovecraft. Até no mundo da música existem homenagens aos Mythos. A banda Metallica compôs mais de uma música com essa temática, entre elas “The Call of Ktulu”, inspirada em “O Chamado de Cthulhu”, conto mais conhecido de Lovecraft. Os Mythos estão presentes até nos videogames, na série de jogos Alone in The Dark.

Atualmente, os Cthulhu Mythos sobrevivem, principalmente, graças ao RPG Call of Cthulhu, que é publicado desde 1981 pela editora Chaosium e sua última versão ganhou tradução e é publicada e vendida pela Retropunk. Além do jogo, a Chaosium publica vários contos sobre os Mythos, inclusive alguns escritos pelos próprios jogadores. O único problema é que essa nova geração tem escrito histórias onde os personagens têm bastante conhecimento a respeito das criaturas, fugindo do conceito original de enfrentar o desconhecido. De qualquer forma, é uma excelente iniciativa para não deixar a mitologia de Lovecraft morrer.

Para os que se interessaram em ler alguma história dos Cthulhu Mythos, agora vem a boa notícia: a obra de H. P. Lovecraft está em domínio público. Os contos dele podem ser facilmente encontrados na internet e, o melhor de tudo, muitos estão em português. Então, se você é fã de boas histórias de horror, faça o download de alguns contos de Lovecraft e divirta-se.

Sites de referência:

Site Lovecraft (www.sitelovecraft.com)

Mundo Tentacular (http://mundotentacular.blogspot.com/)

Wikipédia (http://en.wikipedia.org/wiki/H._P._Lovecraft)

 

 

Lovecraft

compra

COMPRE TAMBÉM:

Os Melhores Contos de H. P. Lovecraft

Editora: HEDRA

Páginas: 742

Encadernação: Brochura

Loja: Livraria Cultura

Comente pelo Facebook

Felipe Storino é carioca, criado na Zona Norte do Rio de Janeiro e radicado no Espírito Santo. Possui três grandes paixões: o Flamengo, cinema e games. Sobre os games, começou nessa vida ainda na época do Atari e do Odyssey e nunca mais largou os joguinhos. Quando não está jogando, está assistindo filmes, séries ou lendo gibizinhos. Recentemente virou grande entusiasta dos jogos de tabuleiro, comprando mesmo quando não tem com quem jogar. É orgulhoso possuidor de um Super Nintendo e um Master System 3 originais.

ARTIGOS SEMELHANTES

8 COMENTÁRIOS

  1. O primeiro contato que tive com Lovecraft foi através do NSN. Então li A Tumba e Outras Histórias e gostei do estilo dele, apesar disso ter demorado um pouco. O horror dele é meio subjetivo, você sabe que o pesonagem tá ferrado mais não sabe muito bem quem ou o que é a causa…
    A Martim Claret lançou um pockete novo dele, Histórias de Horror – O Mito de Cthulhu, não tá nem R$ 15! Vale a pena investir.
    Não sabia que Alone in the Dark tinha elementos baseados nas histórias do Lovecraft… É um dos jogos que me arrependo de não ter perseverado mais… Mas era difícil demais, e realmente muiiiito escuro.

  2. Meu primeiro contato com os livros do H.P. Lovecraft foi ano passado, ao pegar o livro ”O Chamado de Cthulhu e Outros Contos” emprestado a um amigo meu. Desde então li também outros livros dele, como ‘A Sombra de Innsmouth’, ‘O Caso de Charles Dexter Ward’ e ‘A Cor que Caiu do Céu’. As obras de Lovecraft são fascinantes e realmente assustadoras – tentem lê-las na madrugada com tudo apagado, mantendo apenas uma luz básica próxima ao livro para conseguir ler (obvio) e em silencio ;) -.

    Dentre os contos do H.P., o que eu mais gostei foi ‘A Música de Erich Zann’. Este conto realmente me fez visualizar o universo de Lovecraft de forma profunda.

  3. Ótima introdução aos livros de H.P. Lovecraft. Li um único livro dele e posso dizer que é ótimo, porém o esqueci. Mas agora podendo fazer o download de vários, irei ler enlouquecidamente.

  4. =

    Como foi dito Lovecraft tem muita influência nos quadrinhos mesmo. Basicamente toda a mitologia e arcos principais de Hellboy são “baseados” nos contos do H.P.

    Digo baseados pq o Mike Mignola (escritor/desenhista) é fã assumido do cara, as criaturas e até mesmo o visual ( e o non-sense) da série é causado pelo mesmo.

    Como ja disse em outro texto, sou MUITO chegado a autor doido. E sem dúvida H.P. Lovecraft é top nisso.

Deixe uma resposta