steve-rogers-franzino

Nesta ágora moderna chamada Facebook é comum ver os marombas criticando os ditos “frangos”. Eu acho engraçado como todo grupo quer proteger seu status como neste caso. O ego do grupo se inflama no menor sinal de popularização do gosto. Aquilo que deveria ser um reconhecimento honorável vira um mar de revolta e raiva. Porque a musculação não é para frangos? Aliás, quando eu entrava na academia (por sinal duas ou três vezes na vida) o que eu mais estranhava era o baixo percentual de gente magra (querendo fortalecer-se) ou gente gorda (querendo emagrecer e ficar saudável). A grande maioria é dos marombas e das marombetes.

Coxas e bíceps enormes, quilos e quilos de supino, caras e bocas no espelho. Um ou dois ditos frangos, malhavam normalmente com pesos normais sendo orientados pelos personals. O cochicho é inegável. “olha quantos quilos o frango pega no braço”, “olha o frango malhando a um mês e não ganhou massa”, “olha o frango querendo fica fortinho para o verão”. Tudo bem que é uma coisa chata quando você encontra uma prática que você dedica sua identidade àquilo, e vem aquele bando de gente sem seriedade pra invadir o seu espaço… Mas a culpa é deles ou minha de investir minha preciosa identidade com aquela prática que na verdade não é exclusividade minha?

Mesma coisa acontece com música. Aquela banda super Cult não pode ser maculada pela popularidade nunca! Ai de quem ouse criticar por parâmetros comuns aquelas musica de apartamento… O baluarte da pós-modernidade não é para muitos.  Acabamos de chegar numa aproximação interessante e super divertida.  Aquele Cult magrelo é mais parecido com o maromba da academia do que poderíamos imaginar. O xiitismo é o mesmo.

Para você maromba, cara saudável que cultiva anos da sua vida para manter seu templo do espírito num bom nível, fica um apelo, seja bondoso com o frango, além de você já ter sido um frango (que provavelmente começou a malhar pelos mesmos desejos do frango de verão) se você gosta do que faz, dê oportunidade do outro entrar nessa vibe boa. Projeto #ajudeofrango. Isso não vai te deixar mais fraco e ainda vai engrandecer o espírito que mora no seu corpão sarado.

Pra você menino Cult, se o que você tem é bom assim, custa nada oferecer aos outros e à crítica popular, só vai engrandecer mais ainda a obra que você admira. Concordar com uma crítica não vai diminuir seu gosto pela música.

A todos nós uma lição. Não depositar nosso ego no que não convém e não cometer protecionismo xiita pra quem quer usar nossos costumes tribais. Dividir os nossos gostos só engrandece a nós e ao que deseja entrar no grupo. Todos saem ganhando e no caso dos frangos, o verão fica mais bonito!

Comente pelo Facebook

Mora no Rio de Janeiro, cursa Filosofia e estuda religiões comparadas nas horas vagas. Se dedica ao pensamento em tempo integral. Apaixonado pelas artes e pelos momentos. Navegador dos devires, desbravador de marasmos. Deseja uma filosofia que emancipe o indivíduo e um pouco de cerveja também.

6 COMENTÁRIOS

  1. Sei la, acho que a academia que voce frequentou soh tinha retardado, normalmente, os marombas nao agem dessa forma que voce descreveu, claro que existem os casos a parte (turma do oleo), + no geral, a ideia maromba é exatamente a união, agregar forças e continuar disseminando a ideia. Acho que voce poderia tentar de novo, talvez, começar fazendo novas amizades, dps ir pra OUTRA academia e aos poucos ir se inteirando à um novo ciclo de amizades, vai acabar percebendo que nao é bem esse trauma todo que voce tem =/ abss

    • BEM POSSÍVEL querida Gandra. Eu frequentei 2 acadêmias e ambas tinham uma coisa em comum, elas eram “mainstream” e outra coisa que eu observei antes de redigir o post foi o perfil dos comentários anti frango nas tribos de face.

      Com alguns amigos mais tranquilos, e por isso acredito mais inteligentes, foi comum a aversão à acadêmias pop porque o índice de acéfalos é grande. O pessoal que realmente me pareceu acreditar na ideologia do corpo preferiam academias mais periféricas e eram as pessoas que menos faziam esses posts xiitas contra frangos… Não sei se essa é exatamente uma constante por não me dedicar ao grupo, mas me pareceu razoável pensar isso.

      Mas não sou traumatizado não, sou ocioso mesmo, alias é um grande defeito meu rsrs.

  2. Ademais, os magros, ou melhor, nós os frangos somos mais ágeis do que, revezes, esses bando de: ‘la pasta’, ‘mangia che te fa bene’.
    Continue a praticar Tae-Kwon-Do. Verdadeiro importante is saber defender-se a ter grande corpo e saber não usá-lo. Imagine você um 720¤ kick pela face dentro com três pés na lata do maromba folgado.

  3. Eu sempre fui o outro lado da moeda. Em vez de “frango” eu era o gordo. Ser gordo em uma academia frequentada em sua grande maioria por acéfalos é doloroso, e ao mesmo tempo engraçado. Em sua grande maioria os “bombados” te olham com uma cara do tipo: “como ele consegue viver assim?”, “será que ele é feliz assim?”.

    Eu geralmente me divertia muito em ver isso, pois ninguém paga as minhas contas e se um dia falassem algo eu mandaria se fudê.

    Excelente texto, sucinto e direto!

  4. N entendi uma coisa. Ao meu conhecer, frango é um pinto anabolizado. Ou seja, o cara que tomou bomba que deveria ser chamado de frango.

Deixe uma resposta