Olá meus maravilhosos!

Hoje é comprovado que o Santo dos Assassinos congelou o inferno e resolveu congelar o plano dos vivos também! E já que sair de casa demanda uma força de vontade extrema mediante às condições do tempo, que tal aquecer os neurônios (lendo esse texto até o final, lógico) assistindo um dos animes que está na minha lista especial de “Coisas que o mundo precisa ver”?

Antes de começar a destrinchar essa obra da animação japonesa, hora de explicar o contexto da coisa toda e fazer vocês entenderem um pouco mais o motivo pelo qual Serial Experiments Lain choca, mas ao mesmo tempo maravilha o espectador.

Uma coisa é fato, vivemos num mundo tecnológico. Apesar de todos os problemas de divisão de classes sociais, fome, guerra, doenças, corrupção e violência, estamos constantemente na frente do computador. Seja a trabalho ou seja por diversão, nos conectamos na internet e passamos horas sem nem perceber.

Ah bia, mas eu só fico no máximo 1 hora por dia na frente do pc, você está exagerando

Você pode até ficar um curto período de tempo na frente do monitor, mas você esta cercado por computadores. Como eu disse acima, esses aparatos estão constantemente em nossas vidas, seja para fazer controle de estoque, efetuar uma compra no supermercado ou fazer uma ficha de consulta médica. Como a própria Lain diz “Estamos todos conectados

Com os computadores veio a internet e com a internet surgiu o maior vício da humanidade. Somos escravos da web e isso não é segredo algum. Ela está disponível em todos os lugares, via smartphone, wifi ou até mesmo no seu videogame. Conforme os avanços tecnológicos começaram, a internet foi tomando cada vez mais parte das nossas vidas.

E se não estamos conectados fazendo amizades com pessoas de outras cidades/países, criando memes com políticos, baixando música ou jogando, falamos sobre a web no mundo real. Duvido que algum de vocês nunca chegou num amigo e disse “Cara, você viu o que fizeram com a foto do Serra chutando a bola?” ou “Eu estou sentindo uma treta, chamem o Superlask!”

Usando uma comparação com números, a realidade em que vivemos significa 1.0 e a internet é simbolizada pelo 2.0. Acontece que a web cresceu de uma maneira tão acelerada e desenfreada que acabamos chegando no 1.5 e é só uma questão de tempo até que esse dígito aumente.

Em Serial Experiments Lain esse algarismo já saiu do 1.5. A sociedade gira em torno dos computadores e da Wired (terminologia usada para denominar a internet) e quem não se conecta e fica horas por lá é considerado um corpo estranho ou aberração. Bem similar ao mundo de hoje, certo?

Lain Iwakura tem 14 anos, mora com sua família de classe média em Tokyo, tem uma mãe fria, uma irmã indiferente e um pai completamente viciado na Wired. Lain não gosta de computadores e nem sente interesse em mexer em um. Mas tudo muda depois de uma colega de sua classe cometer suicídio alegando que “Abandonou o corpo físico para se juntar ao deus da Wired

Até aí, suicídios entre estudantes no Japão, infelizmente, são uma coisa comum. Vários adolescentes tiram a vida por não conseguirem entrar numa universidade de primeira ou por achar que desonraram o nome da família. Mas Chisa Yomoda se matou pois achava que sua interface corpórea atrapalhava seu acesso a Wired e, por isso, se livrou dela.

Ela inclusive mandou um email para todos os seus colegas de sala no dia seguinte a sua morte, pedindo para que todos fizessem o mesmo.

Conforme eu havia dito previamente, Lain não se interessa por computadores. Ao contrário da maioria dos adolescentes que passam a tarde conectados, Iwakura fica dormindo ou brincando com seus bichos de pelúcia. A caracterização da personagem mostra que ela é inocente e infantil, um detalhe que reforça ainda mais essa sua personalidade é o pijama de cachorro que usa no começo da série.

Por curiosidade, a garota liga o seu então empoeirado e negligenciado Navi (Não, não é a fada irritante do Link e sim como os computadores são chamados no anime) para conferir se também recebeu um email. Uma vez confirmada suas suspeitas, Lain começa a se envolver cada vez mais na Wired por pura curiosidade e acaba por descobrir um incrível potencial e facilidade para mexer com computadores. Nem preciso falar que seu pai fica louco de alegria.

Enquanto Iwakura explora o mundo ilimitado da internet, sua família, que já não era lá essas coisas, entra em colapso. Lain, que era uma menina solitária e por assim dizer espairecida da realidade, faz um grupo de amigas que simbolizam a conexão da protagonista com o mundo 1.0

Depois do suicídio de Chise, muitos outros adolescentes começam a tirar a própria vida com a mesma intenção da garota. Lain se encontra envolvida nessas mortes de algum jeito, mas não posso revelar muito mais coisas sem dar spoilers, sinto muito.

Esse anime aborda temas como a dualidade do ser uma vez conectado, a possibilidade de adotar uma identidade completamente oposta uma vez na Wired, hackers, o uso de drogas para acelerar a capacidade neural (e possibilitar acesso mais rápido) e o quão longe vai o vício do ser humano uma vez conectado.

Esse aspecto é simbolizado por um personagem que tem uma breve aparição na história. Vagando pelas ruas de Tokyo, um homem atolado de dispositivos anda pela cidade enquanto na Wired, ele lembra um pouco uma cena do clipe “Do the evolution” do Pearl Jam (Esse também é o outro vídeo que chuta a sua cara com verdades). E, por não ligar mais para o seu corpo físico, acaba morrendo. De novo, não é spoiler.
O homem, como eu disse antes, simboliza o vício da humanidade. O mundo onde a história do anime se passa, já pulou do 1.5 faz tempo ao ponto dos usuários mais ávidos não conseguirem mais distinguir o que é real do que é virtual. O que assusta é que estamos caminhando para esse estágio.

Serial Experiments Lain trata de filosofia, cultura cyberpunk , teorias da conspiração, identidade e religião. Conforme a protagonista avança na Wired sua personalidade muda, de inocente ela passa a ser mais agressiva e indiferente a sua própria realidade. Iwakura vai se afundando cada vez mais na internet e faz modificações no seu quarto para que o seu então atualizado Navi, vire uma máquina de fazer muito hacker morrer de inveja.

E o que é o Deus da Wired? Essa divindade que ronda a internet mas que ninguém nunca viu e só ouviu falar? Ele realmente existe? Só assistindo o anime para descobrir. Mas o que fica de mensagem é que, esse mundo virtual tomou uma proporção tão gigante ao ponto de criar um governante. A Wired virou a nova Terra e como a própria animação diz “Feche o mundo. Abra o próximo.”

Temas como a conectividade, solidão, realidade e distúrbios mentais são abordados. A protagonista vai mudando ao longo do anime, e um detalhe que eu só fui descobrir depois de pesquisar a respeito me chamou a atenção e me fez amar mais essa série. Como vocês puderam ver nas fotos desse post, Lain tem o cabelo irregular. Uma mecha longa presa por um elástico em formato de “X”.

Esse detalhe foi explicado no incrível art book da série “Omnipresence in the Wired”. A história por trás desse penteado foi a de que a própria garota o cortou assim. Na simbologia, isso representa a personalidade instável de Lain. Com a mecha bloqueando o ouvido esquerdo, Iwakura não ouviria espíritos nem fontes negativas, afinal ela já tem que batalhar contra seus alter egos , seus próprios pensamentos e com o fato de que viver na Wired a apavora mas ao mesmo tempo fascina.

Uma coisa que acabou me deixando frustrada foi o fato de que Serial Experiments Lain não é conhecido por muitos. Esse anime é considerado um dos clássicos do gênero junto de Neon Genesis Evangelion e Akira mas toda a vez que eu falo de Lain, ninguém conhece. Por isso meninos e meninas, assim que vocês acabarem de ler esse post e mostrarem para os seus amigos, BAIXEM LAIN. E se falarem que acharam “chato” vocês apanham.

Como deu pra perceber, Serial Experiments é um thriller psicológico, então você precisa prestar atenção pois, como meu professor mesmo disse “O demônio se esconde nos detalhes”. Se você piscar os olhos por muito tempo, vai perder alguma coisa e não entender mais nada, mas relaxe, não chega a ser tão confuso como Boogiepop Phantom. Esse sim me deu dor de cabeça.

A intenção dos criadores de lain foi de fazer com que as opiniões a respeito do anime fossem diversas e que gerassem discussão, mas infelizmente o feedback foi quase o mesmo. No entanto, não impede de nada uma discussão cabeça/filosófica entre pessoas que assistiram.

E por que eu fiz o meu melhor para destrinchar Lain sem dar spoilers? Agora vem o choque, apesar de ser um anime de apenas 13 episódios feito em 1998, Serial Experiments é extremamente atual. Eu brinco com os meus amigos alegando que na verdade isso tudo é uma profecia animada e cyberpunk, mas se você parar para pensar, muita coisa é BEM parecida com a realidade que vivemos agora.

E você, esta conectado?

Título: Serial Experiments Lain

Diretor: Ryutaro Nakamura

Duração: 13 episódios

Nota: 10 elevado a potência Chuck Norris.

Comente pelo Facebook

Jornalista. Fã de gore, terror e todas as bizarrices da internet. O pessoal daqui diz que eu sou um Shinigami.

13 COMENTÁRIOS

  1. Agora, um outro “anime” que realmente me deixou pensativo, e com sentimentos que nem pensaria sentir sobre um desenho foi Wings of Honneamise, um trabalho único, pouco conhecido e fascinante.

  2. Concordo com tudo que você falou, assisti um episodio de Lain em 2001, e achei um desenho bonito e curti demais, e demorei a assistir novamente. De uns tempos pra cá perdi o emprego, e resolvi fazer uma loucura, pintar o cabelo de azul e fazer algum penteado legal lembrei de (Lain), e fiz a loucura, depois de uma semana surgiram perguntas, e resolvi assistir o anime, afinal não é pra menos tenho o corte da menina na minha cabeça.

    Foi chocante…., me emocionei bastante, por que estou levando essa vida de internet a uns 6 a 7 anos, larguei totalmente os jogos nos consoles pelo computador, hoje mecho em um PC em uma tela de LCD de 40 polegadas, tudo conectado, webcam sabe tudo que uma pessoa viciada tem. Tenho contas em tudo quanto é site de relacionamento, sofri com hakeamento e outros males da internet. O anime realmente me deu um SOCO na cará!…, hoje vejo que estou dependente da internet as vezes largo tudo desligo tudo pra ver se desapego. Não vejo a hora do seguro acabar pra poder ver se consigo viver de novo sem tudo isso aqui. by @lucknyu

  3. FODA!! é o que define Lain \o

    “Uma coisa que acabou me deixando frustrada foi o fato de que Serial Experiments Lain não é conhecido por muitos.”

    È titia…to nesse bonde ai também, ou não conhecem ou então não gostam porque num entenderam. Ai ai só se salva uns poucos iluminados.
    Lembra dizer que a ideia lembra bastante de Matriz só que de uma forma BEM mais doentia e insana (( ADORO !! ))

    Parabéns… nota : 10 elevado a nivel Kratos

  4. Já assitiu Madoka Magic? Acho que em português ficou como Garotas Mágicas.

    Você assiste o primeiro e simplesmente não consegue parar de asstir o resto.

    • Então menino, eu li o mangá de Madoka porque todo mundo tava comentando que era o Evangelion do shoujo então eu TINHA que conferir. E olha, pra um mangá que geralmente é leve e cheio de fru frus eu achei umas coisas bem pesadas.

  5. Eu assisti lain a alguns anos,você sabe sobre o jogo de psx?o jogo talvez de uma outra explicação para historia.

    • Oi Victor,

      Pelo que eu saiba esse jogo só foi lançado no japão, dei uma pesquisada mas não consegui achar muita coisa.

  6. Beatriz tem esse game disponível no TheIsoZone, basta dar uma conferida lá, é igual ao game que tenho aqui tbm de PSOne “Evangelion”. São cenas de um episodio onde você pode delimitar até onde ele termina com escolhas.
    O traços do desenho é da mesma produtora, e sim da alguns extras do anime (nada que modifique demais a ideia principal), mais pra fãs é ótimo!!, nem baixei por ser japonês e eu não entenderia nada.
    Mais lembro de ter lido isso a respeito desse game em fóruns

Deixe uma resposta