SteamOS é um sistema operacional para jogos baseado em Linux.
SteamOS é um sistema operacional para jogos baseado em Linux.

Juro a vocês que de todas as possibilidades surgidas desde que a Valve falou em Linux pela primeira vez, mesmo com todo o amor declarado da empresa de Gabe Newell pelo Linux (e constantes xavecos pra cima da Canonical e seu Ubuntu), eu realmente achava que uma versão do Steam pra Linux teria sido o bastante pra essa empresa e não esperava que ela criaria um sistema operacional inteiro em torno do seu serviço de distribuição digital. Então vocês podem imaginar como está sendo complicado escrever esse texto, né?

Na manhã desta segunda-feira a Valve fez um dos seus 3 anúncios prometidos, todos abordando seu novo objetivo de levar o Steam às salas de estar dos jogadores. Sendo bem direto (ou não, né), o SteamOS é um sistema operacional baseado em GNU/Linux, dedicado a rodar games e projetado para ser instalado em computadores do tipo media center, para serem instalados na sua televisão. Alguns dos recursos que o novo SO (Sistema Operacional) trará já são conhecidos de outros serviços, como o recente recurso de compartilhamento/empréstimo de games, um controle parental, possibilidade de gerenciar e tocar músicas, vídeos e TV e uma função de fazer streaming de jogos direto do Steam rodando no seu computador tradicional (coisa que todo mundo cagou e andou quando a NVidia anunciou para o seu Shield, mas agora tá um monte de gente babando por ser da Valve. Falo mesmo!).

SteamOS trará novas funcionalidades para os usuários
SteamOS trará novas funcionalidades para os usuários

Quando se tratava apenas de uma versão do clássico programa rodando em um Linux já existente eu estava bastante animado. Mas agora, com esse novo anúncio, eu não sei o que pensar. Continuo acreditando no potencial que essa empreitada tem para tornar o Linux uma opção verdadeiramente relevante para nós gamers, mas ao mesmo tempo que o SteamOS pode sacudir a indústria dos games, ele pode vir cheio de idéias que podem ficar bonitas no papel, mas acabar falhando na realidade.

Pra começar, o streaming, provavelmente a la Chromecast. Pelo pouco que conheço da tecnologia e pelo pouco que sei de media centers, eu chuto que esse recurso pode não funcionar muito melhor do que o que já vemos hoje em dia no mercado. Volta e meia eu vejo gente reclamando de transmissões via DLNA ou Miracast com defeito e eu até já vi produtos da Apple, que nego louva como se fosse perfeito (spoiler: não é), enfrentando problemas para transmitir conteúdo sem fio, com vídeo engasgando e sem som, por exemplo. Ou a Valve trabalha pra jogar o nível desse tipo de tecnologia pra cima ou eu vou querer fazer streaming via cabo ethernet se eu resolver usar o novo SO.

Steam para Linux
Steam para Linux

Outra coisa que me preocupa no SteamOS – e que na verdade já me preocupava desde o Steam para Linux – é justamente trazer jogos para uma forma de jogar diferente da original. Games de corrida, RPG’s e diversos jogos de tiro se saem bem graças ao suporte a joysticks, mas e quanto a games de estratégia, MOBAs e MMOs, que fazem uso intenso do teclado e do mouse? Ok, nada que uma mesinha na frente do sofá não resolva, mas né…

Mas nem tudo é copo meio vazio e o SteamOS pode ser apenas o início de uma bela revolução na indústria dos games, especialmente para quem os desenvolve. Apesar de o DirectX da Microsoft ainda dominar e ser a opção mais versátil e potente para desenvolvimento de jogos, muitos títulos criados com a tecnologia aberta OpenGL possuem uma qualidade incrível (todos os games da própria Valve são feitos em OpenGL, por exemplo). Considerando que o DirectX não roda em Linux (por razões óbvias) e que a Valve deixou claro que está trabalhando para trazer grandes publishers e desenvolvedoras para sua nova plataforma, minha confiança em ver títulos AAA em abundância rodando nativamente em um sistema Linux se renova completamente! Além disso, se o recurso de streaming realmente funcionar bem, compatibilidade do DirectX no SteamOS já deixa de ser uma preocupação.

Só espero que a Valve não cometa o mesmo erro da Xi3, fabricante do fiasco chamado Piston. Toda e qualquer grande promessa de sucesso do SteamOS e de seus outros 2 anúncios ainda ocultos irá por água abaixo se Gabe Newell e sua turma resolverem cobrar os olhos da cara pelo SteamBox (ou seja lá como se chame o console da Valve, se é que haverá um).

joinha-freeman

Bom, aguardemos pelas próximas peripécias dessa empresa do barulho que apronta altas confusões pra sugar o nosso rico dinheirinho. Os próximos 2 anúncios da Valve serão feitos nesta quarta-feira (25/09) e sexta-feira (27/09). Vamos ver no que isso vai dar!

Comente pelo Facebook

1 COMENTÁRIO

  1. Noticia bombastica MESMO. Uma evolução absurda pra essa empresinha que eu vi nascer. Mas uma dúvida: Existe alguma “previsão” do que seriam os novos anúncios? Percebi que graças ao DOTA 2 a Valve ficou meio “paradona” e deixou de lado os títulos próprios, coisa que fez ela ser o que é hoje.

Deixe uma resposta