Olá meus chuchus devotos!

Primeiramente eu peço desculpas pelo meu sumiço, entrei na semana de provas da faculdade e vocês bem sabem o pesadelo que isso é. Mas agora eu estou de volta e preparei um post especial com uma ajuda desse querido Sayron. Mais conhecido como o dono dessa bagaça chamada MOB GROUND.

A bola da vez são os fãs. Isso mesmo, vocês. Todo mundo é fã de alguma coisa. Seja um time de futebol, um ator, uma série, um game (como o Felipe Storino que é apaixonado pela saga Metal Gear Solid e com muita razão), um filme, um livro, uma peça, um personagem.

Mas o fanatismo não se restringe somente a pessoas e coisas que são aceitas pela sociedade. Migrando pelas sombras existem indivíduos que são completamente alucinados por temas que não agradariam muito num primeiro encontro ou numa entrevista de emprego. Hoje vamos falar de “ídolos” que de bom não têm nada.

O fanatismo pode levar um ser humano a fazer loucuras pela pessoa ou coisa que ama. Desde escrever as famosas cartas quilométricas até tatuagens e ataques de gás sarin no metrô. Tem muita gente que se enquadra nessa lista mas, para ela não ficar gigantesca, vou reduzir o número só pra vocês terem uma ideia e conhecerem um pouco mais sobre quem são os meus escolhidos.

Confiram então o meu Top X da Adoração Doentia!

1-) Issei Sagawa – Ah Japão…

Sugiro darem uma lida nesse texto se quiserem saber mais sobre esse cara.

O que fez?

Atirou na nuca de uma colega de classe, por quem era apaixonado, com um rifle, cometeu necrofilia e canibalismo.

Fato curioso: Ele tem medo de sangue.

Motivo:

Teve um sonho quando pequeno onde ele e seu irmão eram preparados numa frigideira para serem comidos depois. Após muito tempo refletindo sobre canibalismo, Issei se apaixonou por uma colega de escola na França.

Bolou um esquema para assassiná-la e realizou seu desejo de comer carne humana experimentando um pedaço da menina de cada vez. Guardou as partes que mais gostou em seu freezer e registrou tudo em fotos.

Por que ficou famoso?

Ele se safou do crime. Não cumpriu pena nem nada, só foi internado num hospital psiquiátrico e devido a questões burocráticas na embaixada da França e a influência e dinheiro de seu pai, Sagawa não foi para prisão e hoje vive livre em Tóquio.

A diferença de Issei para outros canibais famosos como Jeffrey Dahmer, é que ele não fugia do que fez e não foi apedrejado pela imprensa. Ele mesmo admitia seus crimes e falava de peito estufado sobre o que fez e como o fez.

Por causa disso, a mídia japonesa caiu com microfones para cima dele. O cara apareceu em diversos talk shows, telejornais, revistas, documentários do History Channel e mais um monte de lugares midiáticos. Issei também escreveu um livro chamado In The Fog ( ou “Na Neblina”, infelizmente não é mais publicado) onde descreve com riqueza de detalhes como cometeu seus crimes passo a passo.

Também desenhou mangás onde o principal aspecto eram bundas femininas. Eu consegui achar essas pérolas e garanto que são bem bizarras.

Fãs:

A fama de Issei ficou gigante por causa da sua personalidade e transparência a respeito de seus crimes. Como eu disse antes, a mídia japonesa caiu pra cima dele. Seu livro foi um sucesso devido à curiosidade mórbida da população e, por causa disso, foi convidado para participar de vários filmes pornôs softcore e inclusive teve um documentário sobre ele feito por ninguém mais e ninguém menos que a revista VICE.

Curiosamente, a maioria de seus fãs são mulheres.

2-) Charles Manson – Helter Skelter

É claro que ele não podia faltar nessa lista.

O que fez?

Criou uma seita chamada “Família” e manipulava seus seguidores a cometerem assassinatos.

Motivo:

Charles Manson acreditava que os garotos de Liverpool, mais conhecidos como Beatles, profetizaram uma guerra racial quando escreveram e gravaram a música Helter Skelter. Manson ficou obcecado com essa “profecia” e montou então uma seita chamada “Família” onde manipulava seus seguidores a matarem brancos ricos para então culpar os negros e começar a tal guerra. Foi responsável pela morte da atriz americana Sharon Tate, mulher do diretor Roman Polanski.

Por que ficou famoso?

O cara era muito bom de lábia e enganava geral com a pose de “Paz e Amor”. Bom, ele montou uma seita logo quando a moda hippie do amor livre surgia e isso resultou em vários adolescentes, na maioria mulheres, se juntando a Manson num rancho no Texas.

A família Manson vivia em harmonia, mas na verdade Charles “convertia” seus seguidores a acreditarem que eles seriam o gatilho para a guerra racial profetizada em Helter Skelter (o que seria uma coisa totalmente nova já que a religião nunca causou guerrOH WAIT). Não demorou muito para grupos de 8 ou 9 membros da família saírem de noite para esfaquarem famílias de caucasianos ricos do jeito mais cruel que conseguissem imaginar. Uma das características marcantes dos crimes era a palavra “Porco” escrita pela casa com o sangue de uma das vítimas.

Assim que a polícia descobriu quem era Charles Manson e o que seus “familiares” faziam, a mídia americana explodiu. Manson declarou ódio à humanidade e contou toda a sua teoria da guerra racial e de como sua família dominaria a todos assim que o confronto acabasse. A gravidade de seus crimes, e a violência com que foram cometidos só fez a curiosidade mórbida da população aumentar.

Manson deu diversas entrevistas para jornais, revistas, programas de televisão (inclusive em uma delas apareceu com uma suástica cortada em sua testa) e teve documentários e filmes feitos a seu respeito.

Por causa do nível de insanidade, planejamento estratégico e poder de manipulação, Manson acabou virando um ícone cult e até hoje é lembrado. Não precisa nem dizer que Helter Skelter é uma associação direta com o cara. Outro fator que o fez ser atingido por todo e qualquer holofote, microfone e câmera possíveis foi o fato de matar Sharon Tate, atriz essa que era mega famosa na época e que estava grávida de oito meses e meio.

Fãs:

Primeiramente seus seguidores eram completamente alienados por suas palavras. O que Manson quisesse, eles fariam. De lavar a roupa, transar com o dono do rancho onde estavam para que não fosse expulsos até cometer uma série de assassinatos. Acreditavam que o álbum que lançariam com as composições de Charles seria a peça final da guerra profetizada.

Devido à exposição através de mídias undergrounds e mainstreams, Manson rapidamente virou um fenômeno pop. Bandas como Guns ‘n Roses, Kasabian, Marlyn Manson e vários outras tiraram inspiração nas ações de Charles e algumas delas inclusive gravaram composições do assassino e incluíram em seus álbuns como trilhas secretas.

Até hoje Charles Manson é referência pop, seja aparecendo como uma personagem especial em South Park até ter sua cara estampada em camisetas, jaquetas, blusas, chaveiros, canecas, bottons e o que mais der na cabeça.

3-) Ted Bundy – Bonitão pero no mucho

Um partidão pra mulherada.

O que fez?

Estrangulou, espancou com uma barra de ferro, estuprou e sodomizou (vivas ou não) mais de 30 mulheres e garotas. O número certo de vítimas continua um mistério. Somente duas mulheres conseguiram sobreviver.

Motivo:

Nunca foi confirmado um motivo. Mas tudo indica que a razão pela qual Ted matou tantas mulheres foram justamente suas experiências traumáticas envolvendo moçoilas. Vou explicar.

Theodore “Ted” Robert Bundy tinha um pai abusivo, alcóolatra e violento. Temendo pela vida do garoto, seus avós maternos conseguiram a custódia de Bundy. No entanto, o garoto foi criado achando que sua mãe biológica era sua tia e que seus avós eram seus pais.

Anos depois, na faculdade, Ted descobriu a verdade sobre sua família. Ainda na instituição de ensino, Bundy arranja uma namorada que logo o larga por achá-lo sem objetivos, parado e entediante. Esse término abalou Robert resultando num período de depressão e obsessão pela ex-namorada. Um aspecto sobre suas vítimas que é um argumento para o porquê dele matar é que todas as mulheres mortas tinham uma semelhança física com essa namorada.

Outro ponto que pode ter influenciado seus crimes foram gatilhos como drogas e sexo. Além disso, Ted se interessou por imagens de violência, sexual ou não, extrema, desde jovem. Mas foi como eu disse antes, nada nunca foi confirmado.

Por que ficou famoso?

Ted era um enigma e inteligente. Além de ter sido seu próprio advogado em dois de seus julgamentos, conseguiu escapar da prisão duas vezes (inclusive em uma delas saiu caminhando pela porta da frente do presídio) e entrou para a lista dos 10 mais procurados do FBI. Além de claro, ter um número de vítimas que ninguém sabe ao certo e de executá-las de modo brutal.

Para vocês terem uma ideia do que o garboso rapaz fazia com suas vítimas, uma das duas sobreviventes foi encontrada num quarto, nocauteada, cheia de hematomas e com um PÉ DE CAMA enfiado no lugar onde saem os bebês depois de nove meses.

Novamente a imprensa avançou com garras e dentes pra cima de Bundy, seu rosto estampava todas as manchetes de jornais, matérias principais dos telejornais do horário nobre, revistas e seus julgamentos foram transmitidos pela tv. Lógico que enquanto tinha gente que dava pulos de alegria pela captura de um assassino em série, tinha gente que caía de amores pelo cara.

Fãs:

Ted sabia que era um cara bonito e tirava vantagem disso para matar. Fazia a pose de bom moço, fingia um machucado ou se apresentava como uma figura de autoridade quando abordando uma de suas vítimas. Após ser exposto pela mídia, Bundy começou a receber milhares de cartas de amor incondicional e até propostas de casamentos de mulheres que abandonaram marido e filhos pra ficarem com ele.

O frenesi de paixão da mulherada era tanto que, em um de seus vários julgamentos, era possível ver uma boa quantidade de mulheres vestidas exatamente como alguma das vítimas de Bundy. Tinha moça que até deixava os cabelos longos, morenos e partidos ao meio, exatamente como Ted gostava.

4-) Reverendo James “Jim” Jones – Erguei as mãos e dai glória a mim

O que fez?

Matou o congressista Leo J. Ryan, três jornalistas da NBC e um membro de seu culto, além de criar uma seita chamada “O Templo do Povo”, em Jonestown na Guyana, e induzir um suicídio em massa. Mais de 900 membros da mesma ingeriram suco de uva com cianureto. Entre suas vítimas estavam homens, crianças e mulheres, grávidas ou não. Morreu no mesmo dia com um tiro na cabeça, mas nunca confirmaram se foi suicídio ou assassinato.

Acreditava ser a reencarnação de vários deuses supremos das mais várias religiões, de Deus até Buda e Shiva. Sua seita era muito respeitada por suportar a igualdade racial. Só pra contextualizar, tudo isso aconteceu nos Anos 50, uma época em que o preconceito contra negros era intenso nos EUA. A coisa era tão grave que se um negro estivesse sentando num ônibus e um branco subia a bordo, o negro deveria se levantar e dar seu lugar para o branco.

Enquanto passava uma imagem positiva e linda do Templo do Povo, ex-integrantes relatavam que Jones tinha um comportamento megalomaníaco, narcisista e autoritário. Torturava psicologicamente os membros através da privação de sono e alimentos, isolava as crianças de seus pais, integrantes de seus familiares, interferia nos casamentos dentro da igreja e na vida sexual do recém casal.

Além disso, obrigava as famílias a lhe darem 25% de toda a renda e patrimônio e ameaçava física, moral e mentalmente os membros da seita de modo direto. Também manipulava seus seguidores a acreditarem que o governo dos EUA era o Anticristo e que estava em trajetória meteórica rumo ao facismo e nazismo.

Motivo:

Como eu disse anteriormente, Jones acreditava ser a reencarnação de vários deuses supremos e líderes políticos. Pregava pela igualdade social e entre raças. Apesar de ser chamado pelos membros de sua seita de Reverendo, Jones nunca teve uma condecoração religiosa oficial.

Muito pelo contrário, usava a religião de forma politizada. Acreditava plena e cegamente que podia realizar milagres através da clarividência e inclusive forjou vários para conseguir novos seguidores. Deixou o cristianismo de lado e começou a pregar o Socialismo Apostólico.

Segundo Jones, a Bíblia não deveria ser levada à sério pois ela era um manual escrito pelos brancos que só servia para justificar a escravidão negra e sujeição das mulheres.

Quanto mais seguidores conseguia, mais queria. Isso acabou subindo à sua cabeça e resultou em mais delírios megalomaníacos, (porque realmente achar que é a reencarnação de Gandhi, Jesus e Buda não é o suficiente) chegando ao ponto de profetizar uma guerra nuclear.

Jones queria desenvolver uma utopia socialista baseada na fé e na igualdade em Jonestown, comunidade sede do Templo Do Povo, e expandi-la para o mundo. Apesar de passar a imagem de Padre Marcelo Rossi para políticos, jornalistas e líderes, Jim era agressivo e apresentava forte abuso de drogas e comportamento narcisista.

Por que ficou famoso?

Além do suicídio em massa, Jones ficou famoso por sua luta contra as diferenças raciais. Sua primeira igreja era aberta para todas as raças e além disso, ele e sua mulher, Marceline, incentivavam outros casais a adotarem crianças negras. Por causa disso, conseguiu respeito e apoio político, midiático e populacional em Indiana;

Recebeu ameaças e ataques de racistas brancos. Dizem que algumas dessas investidas foram manipuladas pelo reverendo para que sua notoriedade aumentasse e assim poderia converter mais pessoas para sua igreja.

A seita ficou tão grande e popular que chegou até a ter sua própria gravadora de discos e estação de rádio. Jones então começou a procurar outros pontos de expansão de sua Igreja. Boa parte de seus membros eram negros, sem-teto e viciados em droga justamente porque Jim pregava a aceitação e tratamento iqualitário entre seus membros.

Fãs:

Por ter ideais revolucionários e igualitários na época, Jones tinha muitos fãs. Dentre eles os negros e excluídos da sociedade. Conforme sua família crescia, mais eles queriam fazer por seu líder. Quando Jones teve a ideia de transferir a seita de lugar, seus membros mais condecorados e antigos, foram os primeiros a irem à Guyana para construírem a nova sede do Templo do Povo.

Todos ajudaram na construção e levantamento de recursos e dinheiro para que a sociedade utópica de Jones, chamada de “Projeto Agrícola do Templo do Povo” pudesse ser concretizada. Os próprios membros pagavam uma quantia em grana para o Reverendo, totalizando então uma renda de apenas 26 milhões de dólares.

Fato curioso: Os membros trabalhavam das 07 às 18 horas debaixo de um sol equatoriano numa temperatura de 38 graus. Sua refeição? Arroz e feijão. Enquanto isso Jones tinha um manjar dos deuses e bebia o que quisesse porque tinha uma geladeira própria isolada dos demais membros. Olha que exemplo de tratamento igualitário né gente?

As crianças e adultos da seita chamavam Jones de Pai. Os mais novos só podiam ver os parentes biológicos a noite e por um curto período de tempo e às vezes, como punição, passavam uma noite inteira no fundo de um poço de cabeça pra baixo.

Os membros que tentavam fugir eram drogados ao ponto vegetativo ou mortos à tiros pela Brigada Vermelha, guardas de Jones que faziam a patrulha do Templo. Mas a maioria nem ligava e achava que os fugitivos estavam loucos de deixar o Reverendo.

Eles até ensaiavam o futuro suicídio em massa nas chamadas “Noites Brancas”. Todos os membros deveriam fazer uma fila única e recebiam um copo com suco. Depois de beber, todos deveríam cair “mortos” dentro de 45 minutos. Jones depois acalmava todo mundo dizendo que aquilo não era um suicídio e sim um teste de lealdade. Somente 167 pessoas sobreviveram.

5-) Adolf Hitler – NEIN, NEIN, NEIN!

Oh meu deus que ditador assassino mais lindinho gente!

O que fez?

Foi um ditador alemão, criou Campos de Concentração, foi responsável por um dos piores massacres da humanidade conhecido como Holocausto e bom… Causou uma Guerra Mundial.

Motivo:

Hitler queria construir um novo estado que promovesse a economia alemã a livrando do Tratado de Versalhes. Os planos cresceram e ele não só queria que o Estado fosse renovado, como toda a Alemanha e futuramente o mundo.

Adolf tinha ideias racistas e anti-semitas. Para ele, a raça Ariana era a raça suprema e todos os outros que não se encaixavam nessas características (loiro, olhos azuis, branco, cristão e heterossexual) deveriam morrer.

Assim que seus poderes de congressista viraram poderes de Ditador e Hitler era o líder de uma nação através do Partido Nazista, Adolf então criou os Campos de Concentração onde Judeus, gays, negros, ciganos, deficientes físicos e mentais, Testemunhas de Jeová, Ateus, estrangeiros e todo mundo que não fosse 100% ariano eram submetidos à torturas, estupros e aos famosos Experimentos Nazistas.

Em outras palavras, Hitler queria que o mundo fosse dele e exatamente do jeito que ele desejava. Suas ideias e poder acabaram lhe dando fortes aliados conhecidos como o Eixo. Após a invasão à Polônia explode então a Segunda Guerra Mundial onde aproximadamente 70 milhões de pessoas morreram.

Hitler tinha uma grande raiva e preconceito contra judeus, ortodoxos ou não. Seu ódio veio de  panfletos anti-semitas cujas ideias eram apoiadas por políticos influentes e líderes da Câmara de Viena. A mensagem era a de que os Judeus tinham uma inimizade natural com a Raça Ariana e que eram os responsáveis pelos problemas econômicos da Alemanha.

Fato curioso: Enquanto tentava se realizar na vida como um pintor e fracassar futuramente, Hitler se apaixonou por uma de suas vizinhas. Ela era Judia.

Apesar de não ser alemão de nascença (ele era Austríaco), Hitler desenvolveu um supernacionalismo pelo país após participar da Primeira Guerra Mundial como mensageiro e receber a Cruz De Ferro por ferimento de fogo inimigo. Adolf acreditava que o exército não tinha sido derrotado e que poderia atingir a grandeza ainda.

Por que ficou famoso?

Após uma tentativa frustrada de tomar o governo húngaro, Hitler viu em seu julgamento uma oportunidade de espalhar suas ideias não só para a população alemã, como também para o restante do mundo. Escreveu o livro biografia Mein Kampf ou “Minha Luta”.

Ao juntar seus poderes de Chanceler e Presidente do Partido Nazista, Hitler descobriu que tinha uma capacidade de oratória surpreendente. Em outras palavras, o cara era muito bom de lábia. Juntando esse talento ao fato de que todos os veículos de comunicação alemães estarem sob seu controle, Hitler conseguiu mover e convencer uma nação a acreditar em seus ideais fascistas e anti-semitas.

E quem não acreditava ou não queria acreditar em suas ideias absurdas? Simples, Hitler dava carta branca para que a SA, SS e Gestapo (Polícias Nazistas e secretas do Estado) fizesse o que bem entendesse com os “ateus” de Hitler. Resultado: muita gente morreu, muita gente foi jogada em Campos de Concentração ou até sumiu de um.

Após a prensa violenta, todo mundo começou a apoiar o cara e os não arianos, já em desespero, tentaram do jeito que puderam, sair da Alemanha e ir para um dos países que eram contra Hitler, mais conhecidos como os Aliados.

Futuramente os Judeus que não conseguiram fugir foram vítimas de uma nova lei que os impossibilitavam de praticamente viver. Além disso eram obrigados a usarem uma estrela amarela no peito para que fossem rapidamente reconhecidos como seres inferiores.

Hitler fez acordo com países como sua terra natal, Áustria, Japão, responsável pelo famoso ataque a Pearl Harbor, e Itália para que a Alemanha dominasse o mundo. Além de conquistar territórios como a Tchecoslováquia, Hitler invadiu a Polônia e foi então que, França e Inglaterra decidem reagir. Começa então a Segunda Guerra Mundial.

Fãs:

Devido à sua excelente capacidade de oratória e ter a mídia Alemã, Italiana e Japonesa em suas mãos Hitler moveu legiões de fãs. Dedicados e extremistas, Adolf conquistou de senhores de idade até jovens, os motivando a entrar para o exército (que na época já virou obrigatório na Alemanha) com o objetivo de defender e difundir seu tão querido país pelo mundo.

Com a ajuda de seus fãs, extremo nacionalismo alemão e difusão de sua ideologia anti-semita e pró Raça Ariana, Hitler iniciou uma Guerra Mundial. Até hoje existem movimentos Nazistas pelo mundo todo, onde milhares de pessoas ainda acreditam que a única solução do mundo, é a solução imposta por Adolf. Infelizmente ainda vemos notícias sobre ataques de cunho Nazista nos noticiários.

Sua fama e feitos até hoje são lembrados (negativamente é claro) e sua história foi transformada em diversos documentários especiais, memes de internet, músicas, livros e filmes, ou vai me dizer que nunca assistiu Bastardos Inglórios?

Hitler era amado por todos os alemães e políticos italianos e japoneses. Suas ideias rodaram o mundo pelas mais diversas mídias e até hoje ele é um ícone de crueldade humana e habilidade social. Não me entendam mal, mas Adolf foi muito eficiente no que fez, sem dizer dedicado.

Não estou dizendo que sou fã do cara, mas se observar com olhos lógicos, não tem como negar que ele sabia o que estava fazendo e o fez muito bem. Afinal, quantos de vocês já conseguiram mover uma nação?

 

Comente pelo Facebook

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta