convergence

O Bleeding Cool noticiou nesta semana que a DC Comics está com um déficit de dois milhões de dólares e muito se deve a recente mudança de escritórios de Nova York para Burbank. Até aí nenhum problema, mudanças envolvem muitos gastos, ainda mais para uma empresa tão grande quanto a editora de Batman e Superman. Graças a este fato os mandachuvas providenciaram a saga Convergence para que tudo ocorresse sem problemas e os gibis não atrasassem.

Se você não sabe do que a Convergence se trata, saiba que este foi literalmente um evento tapa buraco que a Distinta Concorrência fez. Resumindo, a saga é uma Crise nas Infinitas Terras bem tosca envolvendo Brainiac, seu arauto e as diferentes versões dos heróis interagindo, desde a Era de Prata até Flashpoint.

Apesar da saga ser uma bela porcaria, ela proporcionou um momento interessante com novas ideias e situações sendo criadas, mexendo no status quo dos personagens: Bruce Wayne deixou de ser o Batman e no seu lugar entrou um robô comandado por James Gordon; Superman teve sua identidade revelada; Lanterna Verde agora é um fugitivo do espaço e por aí vai.

Assista também: COMIX ZONE: DC YOU | OS 24 NOVOS TÍTULOS DA DC COMICS

Além de mexer nos seus medalhões, também foi providenciado o lançamento de novos títulos até então impensáveis, como o do Meia Noite, famoso membro do Authority; Prez, personagem dos anos 70 que é um adolescente presidente dos EUA, só que agora como uma garota da geração Tumblr; Bizarro, com uma pegada mais de comédia; Omega Men, entre outros. Toda essa movimentação da editora tem seus motivos, principalmente por conta do sucesso de Hawkeye, de Matt Fraction e David Aja.

11836806_1640885392834791_1384516191926557182_n
Cosplay: Kate Bishop por https://www.facebook.com/PaintCosplay

O título do Gavião Arqueiro por parte da Marvel foi um verdadeiro hit em 2012, caiu como uma verdadeira bomba na indústria das HQs. Um personagem classe C reinventado de maneira cool e descolada, atraindo holofotes para a editora e o melhor: ganhando um público não acostumado a ler quadrinhos, principalmente a parcela feminina. O gibi contava com a participação de uma personagem feminina forte e decidida, Kate Bishop, que inspirava várias mulheres a fazerem cosplay, postar artes no Tumblr e muito mais.

A Casa das Ideias percebendo a força do título resolveu apostar suas fichas em personagens femininas como a nova Ms. Marvel (muçulmana e escrita por uma roteirista), a nova Thor, Kelly Sue DeConnick em Captain Marvel e um novo título para a Viúva Negra. Isso sem falar dos gibis mais fora do mainstream como Superior Foes of Spider-Man, Ant Man, Howard the Duck, entre outros.

Assista também: COMIX ZONE: MS. MARVEL 

Percebendo isso, a DC providenciou o título da Harley Quinn (Arlequina) e a reformulação total da Batgirl, sucessos estrondosos. Inspirado nos sucessos de suas personagens, a editora resolveu arriscar e espalhou a ideia do “faça o que quiser de maneira criativa e se possível cool” para o restante do seu universo.

Mas esses dias aparentemente estão contados, graças ao déficit financeiro. O Bleeding Cool deu a dica que já foi solicitado que Bruce Wayne volte a ser o Batman e que Superman volte a usar seu uniforme tradicional com foco nele lidando com a revelação da sua identidade, mas desde que uniformizado e não parecendo o Bruce Springsteen. Não só os dois principais personagens da casa serão afetados, valendo para o restante dos títulos. É a volta do bom e velho básico (o famoso: feijão-com-arroz).

Caso isso vire realidade, é basicamente a derrota das ideias e liberdade criativa nos quadrinhos. A DC conta com um universo rico em personagens que merecem ideias e roupagens diferentes, indo desde medalhões até restolhos. Ao forçar seus artistas a apenas apostarem no garantido, é uma ideia conservadora e que ainda torna o mercado em um nicho ainda menor, apostando apenas em leitores antigos que compram qualquer coisa, deixando de lado a busca por novos leitores que poderiam aquecer a indústria.

As mudanças atuais nos títulos podem ser encaradas como um VERDADEIRO reboot, e não aquela desorganização que a editora fez em 2011 com o New 52, quando muitos artistas e conceitos tinham toda pinta de anos 90, que o diga o envolvimento de Rob Liefeld, Jim Lee, Bob Harras e Scott Lobdell nos projetos.

DKIII_announcement_image_tall_553a98665e9df3.62191638.0

Ao apostar no terreno seguro e sem graça quem sai perdendo somos nós leitores. E toda a indústria junto.
Ah, e sabe como a DC Comics está tentando reverter o déficit? Apostando suas fichas em Dark Knight III: The Master Race. Se bobear deve ter executivo torcendo para que o Frank Miller morra até lá para que as vendas tripliquem.

É o que resta.

Comente pelo Facebook

1 COMENTÁRIO

Deixe uma resposta