“DEIXAI QUE O MAIS DISTRAÍDO DOS HOMENS MERGULHE NO MAIS PROFUNDO DEVANEIO, ERGUEI-O SOBRE SUAS PERNAS, PONDE SEUS PÉS EM MOVIMENTO E ELES INFALIVELMENTE LEVÁ-LO-ÃO ATÉ A ÁGUA.”

– Chamai-me Ismael!

A emblemática primeira linha do romance Moby Dick é uma das mais famosas aberturas da literatura mundial. Sua simplicidade, com um grau de mistério e tensão, dá o tom do que virá a ser o conjunto dessa espetacular narrativa, em que a obsessão de um homem leva todo um grupo de pessoas à ruína.

Escrito por Herman Melville (um ex-marujo da marinha mercante norte-americana) em 1851, o romance foi recebido com pouco entusiasmo por público e crítica em seu lançamento. Hoje, mais de um século depois, o texto alcançou status de obra-prima e entrou para o restrito rol de publicações que figuram na lista dos Grandes Romances Americanos, ao lado de criações de outros luminares, como Mark Twain e Nathaniel Hawthorne.

Ao longo dos anos, o livro foi adaptado para o cinema, rádio, televisão e peças de teatro, inspirou a criação de um famoso desenho animado da empresa Hanna-Barbera, e também ganhou versões em quadrinhos pelas mãos de artistas como Will Eisner, Bill Sienkiewicz e Roy Thomas. No esteio dessas lendas, oriunda da França, surgiu uma nova adaptação de um mestre moderno.

Moby Dick é a primeira publicação de Christophe Chabouté no Brasil, mas ele já conta com uma carreira sólida de mais de duas décadas de produção, tendo sido bastante premiado na Europa, inclusive no consagrado Festival de Angoulême, por seu álbum Quelques jours d’été (Alguns Dias de Verão, em tradução livre). Entre outros de seus quadrinhos de destaque, podemos citar a aclamada trilogia Purgatoire, a biografia do criminoso Henri Désiré Laundru e Construire un Feu, baseado na obra de Jack London.

Mas o maior desafio da carreira do quadrinista veio em 2014, quando ele se propôs a adaptar para os quadrinhos o cultuado romance Moby Dick, conservando o texto original e irretocável de Herman Melville. O resultado é uma graphic novel magnífica e de tirar o fôlego, de visual singular, estruturação perfeita, dinâmica, cativante e extremamente fiel ao livro original. A reconstrução de época, o ritmo narrativo, a caracterização física e psicológica de todos os personagens… cada quadro desta obra foi cuidadosamente pensado para ser um componente de um todo tão belo quanto insondável, mas também para funcionar como uma pequena maravilha por si só.

A Editora Pipoca & Nanquim tem o orgulho de apresentar ao público brasileiro um lançamento de valor inestimável que está, sem a menor sombra de dúvida, entre as maiores adaptações já feitas deste clássico em todas as mídias.

FICHA TÉCNICA

Moby Dick

Autores: Herman Melville e Christophe Chabouté

Editora: Pipoca & Nanquim (2017)

Páginas: 256

Especificações: Formato 20.8 x 27.8 cm, capa dura.

Tradução: Pedro Bouça

Pré-venda exclusiva na Amazon!

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Thiago Chaves
Load More In Hqs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Confira também!

Um quadrinho obrigatório: BLACK HOLE, de Charles Burns | Pipoca e Nanquim #269

Black Hole, lançamento da editora Darkside Books, foi publicada originalmente, nos Estados…