[ARTE DA VITRINE]: Thiago Chaves (@chavespapel)

Acabaram as Olimpíadas de Londres e mais uma vez o topo da classificação ficou com os Estados Unidos (104 medalhas), seguido por China (87) e a anfitriã Grã-Bretanha com 65 (pelo critério de maior número de ouros ficou a frente da Rússia que totalizou 82 medalhas).

E o Brasil?

Bom, o Brasil finalizou com 17 medalhas, quatro a mais que as Olímpiadas de Pequim.

Mas a questão aqui não é a quantidade das medalhas e sim a política brasileira e o senso comum que atinge quase toda a população.

O que me deixa puta da vida é a falta de nacionalidade dos brasileiros. Acompanhei grande parte das disputas (até o hipismo) e me orgulhei dos nossos atletas. As pessoas têm que começar a entender que se o esportista não ganha, não é falta de vontade. Não o menospreze nas redes sociais e blogs.

 Poxa, o cara treina avida toda para chegar ao pódio olímpico e não ganha! Será que ele deu pouco de si?

Entre as nossas promessas tivemos o Diego Hipólito que caiu, o Cesar Cielo que ficou em terceiro, os meninos do vôlei que estavam com o ouro no bolso, tivemos também o futebol feminino e masculino. Enfim, várias foram as oportunidades de ouro perdida, porém, mais uma vez digo que esta não é a questão.

Os Estados Unidos são potência mundial, lá tem incentivo ao esporte e desde pequena a criança já escolhe qual vai praticar.  No Brasil, educação física é a aula da brincadeira, a aula que você faz lição atrasada, o momento de jogar papo pro ar, ou até quem sabe, o momento de não fazer a aula.

Acredito que antes de criticar os atletas da sua pátria, deve ao menos fazer um retrospecto político e social para entender a nossa 22ª colocação no ranking olímpico. Não acredito que usar o facebook e o twitter para despejar ofensas seja algo inteligente, e pior ainda, aqueles que replicam a mensagens.

Claro, não vou generalizar, existem muitas pessoas que amam o local onde nasceram, mas estas poucas (como eu) estão sendo camufladas por pessoas ignorantes e que querem apenas mais um like ou RT com frases medíocres.

Que tal criticar a política da educação e saúde e do país? Com embasamento teorico e crítico, e não apenas dizer que política é uma droga e que vai anular seu voto.

Caramba Brasil! Vamos ser brasileiros o ano todo e não apenas em épocas de Copa do Mundo e Olímpiadas. Vamos ter senso crítico, lutar pelos reais direitos que temos e principalmente reconhecer o esforço dos nossos representantes pelo mundo. Esta é a questão!

 

Comente pelo Facebook

Desde de criança gostava de inventar suas próprias histórias, assim tornou-se jornalista por formação e amor. Gosta de um bom rock, exposições que aguçam a mente, peças cômicas e de filmes TODOS!

ARTIGOS SEMELHANTES

2 COMENTÁRIOS

  1. Nossa, tirou as palavras da minha boca!!! Passei todos os dias das Olimpíadas brigando com quem abria a boca pra criticar os atletas que dão um duro danado pra estar lá (tá, os do futebol masculino não dão tanto duro assim).
    Adorei o texto!

Deixe uma resposta