Olá seus peitorais definidos!

Hoje é dia de post da tia só que dessa vez não falarei sobre filmes trashes, sangue, tripas ou do lado feio do ser humano. Como vocês bem sabem, eu também escrevo sobre animes aqui e sobre o incrível mundo bizarro chamado de Japão.

Se você não está por dentro dos últimos shows lançados então provavelmente não tem ciência da ~~polêmica~~ sobre essas animações de olhos gigantes e cabelos coloridos. Falarei sobre a mesma porque realmente, é ridículo o que está acontecendo. Mas vamos do começo.

Recentemente foi lançado um anime chamado Free! – Iwatobi Swimming Club e está dando o que falar não pelo seu enredo ou personagens, mas sim pela reação dos fãs homens.

Free! é um dos animes cujo tema nunca me interessou muito, o de esportes. Como o próprio nome diz, ele é sobre natação. Então na maioria das cenas, os personagens estarão com roupas próprias para a prática da modalidade.

A história é mega simples. Quatro amigos que resolvem fundar um clube de natação na escola para competirem num torneio contra um conhecido que acabou virando do mal após voltar de uma viagem da Austrália e foi para outra escola.

Lindo gente, super básico e até aí o que tem de polêmico? Bom, o público alvo principal desse anime são as moçoilas e moçoilos atraídos por homens. “Tá Bia, nada de mais. Cadê a polêmica que você mencionou no começo do texto?”

Simples, meu querido, Free! tem fanservice dedicado à esse público alvo.

Mas o que é Fanservice? São situações em que os personagens do anime ou mangá são retratados de forma erótica ou sensual. Isso pode acontecer tanto numa cena, quanto na própria vestimenta do personagem.

Sabe quando os peitos daquela personagem pulam loucamente porque ela respirou fundo ou se levantou? Sabe quando aquela menina sai correndo e você tem um take ginecológico da calcinha dela? Sabe quando os mamilos de uma personagem são visíveis até mesmo pelo casaco do uniforme dela? Ou quando o protagonista tropeça e cai de cara nos peitos (geralmente enormes) de uma personagem?

Isso é Fanservice.

Notaram que todos os exemplos que usei são só com meninas? Então. É só pegar praticamente qualquer anime que não seja sério e assistir, você vai acaber vendo uma cena de fanservice. E existe até um próprio gênero para isso chamado de Ecchi.

O termo ecchi surgiu devido à pronúncia japonesa da letra H em inglês e significa “obsceno”. A letra H seria por causa da palavra Hentai (você sabe muito bem o que significa portanto não me darei o trabalho de explicar. Seu(ua) safadinho(a)), e como você bem sabe, existe toda uma produção própria do gênero Hentai.

Agora, por que o pessoal está fulo da vida com “Free!”? Bom, a machaiada hétero otaku está e sem motivo aparente. Assim que o anime mencionado acima foi lançado, um tsunami de egos feridos e mimimi surgiu por parte dos otakus masculinos simplesmente porque as garotas estão recebendo um pouco do que eles sempre tiveram ao alcance das mãos.

Um dos argumentos favoritos da galera magoadinha é que os corpos dos personagens de Free! são totalmente absurdos e impõem uma expectativa de beleza surreal. Okay, se essa galera mimimi não prestou atenção no enredo do anime eu explico mais uma vez.

É sobre um grupo de amigos que são NADADORES DESDE CRIANÇAS.

Com certeza vocês já viram pelo menos uma prova de natação masculina, seja nas Olimpíadas ou Jogos Panamericanos. Se não, é só jogarem César Cielo no Google Imagens ou darem uma olhada na foto abaixo. O modo como os personagens foram desenhados não é nada absurdo, os meninos nadam desde moleques então é mais do que óbvio que eles tenham um corpo magro e definido.

Isso não é um padrão de beleza absurdo, é uma retratação real do que o corpo de uma pessoa que nada desde pequena se transformaria devido à atividade física frequente.

Padrão de beleza absurdo é o modo como a maioria das personagens de anime são desenhadas, principalmente as de Hentai e Ecchi. Meninas magras e pequenas com peitos gigantescos que nunca sentem dores nas costas ou que não tem hormônios incrivelmente anormais.

A única vez que vi uma retratação real de uma personagem mega peituda foi no mangá Love Junkies. Nele, essa menina explica o quão horrível e dolorido é ter seios do tamanho de duas melancias de borracha. Sutiãs sob medida, dores nas costas horríveis e correr não é nem uma opção. Eu falo por experiência própria, se você tem peitos, correr nunca é uma coisa agradável se você não estiver usando um sutiã próprio para isso.

Voltando à polêmica.  Enquanto o público masculino otaku tem caminhões e mais caminhões de mangás, animes e games, Eroges (Erotic Games) ou não com fanservice para eles, porque nós, fãs mulheres, não podemos ter peitorais masculinos molhados, braços, pernas torneados e personagens bonitos?

Vocês acham que isso é só privilégio de vocês? Acorda meu amor, o mundo mudou e nós fãs também exigimos o direito de ver homens em situações eróticas e sensuais ou com o corpo bem definido e constantemente exposto.

“Ah, mas vocês têm o Yaoi e o Boys Love! Poxa e vocês têm Fanservice em todos os gêneros de mangás, animes e Eroges possíveis e inclusive tem DOIS gêneros inteiramente dedicados ao Fanservice para o público masculino.

Sério que vocês estão putinhos porque nós ganhamos UM anime com Fanservice?

Essa ~~polêmica~~ não passa de imaturidade da machaiada otaku além de um caso extremo de falta de senso de ridículo. E agora que chega a nossa vez de ter um anime com Fanservice fora do gênero Yaoi ou BL vocês fazem uma tempestade numa gota d’água? Ai por favor, vão lavar um chão com escova de dente porque se for pra falar merda, é melhor ficar calado.

Comente pelo Facebook

Jornalista. Fã de gore, terror e todas as bizarrices da internet. O pessoal daqui diz que eu sou um Shinigami.

SEM COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta